OEsquema

12/12/12 – Ramon Moreira (Fevereiro)

O 12/12/12  caminha lentamente, mas está aí. Leia o papo de fevereiro com o Ramon Moreira.


Fevereiro foi o mês de Pinheirinho. O que você achou da quase ausente cobertura da imprensa?

Não sei se o problema de fato é a imprensa. Hoje em dia, com o advento da internet, só não se informa sobre determinado assunto quem não conhece o Google. Mas também não vou fechar os olhos e deixar de lado a ausência das grandes redes de notícias. É fato que isso aconteceu. O importante é saber o porquê ! O Pedro Rios ( https://www.facebook.com/muhammadpailatif ) desempenhou um papel muito importante na tentativa de alertar a imprensa e a população sobre o que de fato ocorreu por lá. Mas infelizmente, dessa vez, um passarinho não fez o verão.

Fala um pouquinho sobre as gravações do Marcelo Moreira, você fez boas imagens? Como você pegou esse trabalho?

Esse trampo veio por causa das gravações do novo albúm, Brenguelé ( http://blognotasmusicais.blogspot.com.br/2012/05/roge-lanca-em-junho-brenguele-cd.html ), do Rogê ( https://www.facebook.com/rogebrasil ). Moreira, como gosto de chamá-lo, além de figura fixa na banda do Rogê, é um dos parceiros do Rogê em diversas músicas do “Brenguelé”; e o Rogê foi um dos diretores artísticos do álbum do Moreira, Fé no Batuque. Fui convocado para as gravações do Rogê pela queridissima Carolina Rheinheimer, que é a produtora do Rogê, que na ocasião fez a produção executiva do Moreira. Apesar de saber previamente quem seriam os ilustres convidados, fiquei imaginando como seria conciliar as agendas de tantos “bambas” e artistas. Mas durante aquele dia, percebi a sua importância para todos eles.

Não tem como não se apaixonar pela figura do Moreira, sempre atencioso com todos a sua volta. Sempre com aquele sorriso contagiante e com o bordão clássico na ponta da lingua : “Ô Sorte !” Pra mim foi uma honra poder ter acompanhado aquele momento tão de perto. Mesmo não sendo um entendedor exímio do universo do samba, tenho uma noção do que é reunir no mesmo lugar Martinho da Vila, Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz, Claudio Jorge e Beth Carvalho. Uma pena que a música em si, “Nosso amor é preto e branco”, fosse uma homenagem ao Botafogo. Todo mundo tem seu defeitos… Moreira, Carolina e Rogê fazem parte daquelas pessoas que citei em Janeiro das quais fiquei muito feliz em ter conhecido.

Você sempre tá em shows, né? Qual foi o melhor de fevereiro?

Já fui mais assíduo na noite carioca, mas hoje em dia com o trabalho, está um pouco complicado sair tanto.
Pra mim é sempre muito difícil categorizar o melhor. O que sei é que alguns shows foram MUITO interessantes em Fevereiro.
Criolo foi uma grande surpresa pra mim. Apesar de já ter escutado e gostado muito de Subirusdoistiozin, não tinha parado para escutar o álbum completo, e talvez por isso não entendia muito o porque de tanta exposição da figura dele na imprensa e dos prêmios que ganhou.
Mas depois daquele dia várias coisas começaram a fazer sentido. Durante a passagem de som, já dava para perceber que o Criolo está cercado por uma equipe muito competente. Um artista que tem a Sete8 (assessoria), Ganjaman como “maestro” e a Beatriz na produção, já sai na frente… Agora falando da pessoa Criolo, se eu pudesse descrever Kleber em uma palavra, essa palavra seria humildade. Assim que chegou para a passagem de som, parou para cumprimentar cada músico e pessoa que estava trabalhando no Circo.

Em certo momento, uma pessoa que não tinha conseguido comprar ingresso para a noite, pela grade chamou o Kleber, que rapidamente foi até a pessoa e pediu mil desculpas por não poder ajudá-lo, e ainda explicou que não era para o fã ficar chateado pois haveria outro show em breve aqui no Rio. Dito e feito, pouco tempo depois ele fez um show na Fundição.

Uma coisa que legal que aconteceu foi que exatamente nesse dia que fiquei sabendo do Arrocha do Curumin, que abriu a noite para um Circo Voador lotado.

Outro show que foi muito interessante foi o Lançamento do Manja Perene do Letuce. É sempre muito divertido estar perto de Leticia Novaes e Lucas Vasconcellos. O show é sempre um capítulo à parte, Leticia, além de ter aprimorado muito a utilização da voz, consegue sempre levar a todos as gargalhadas com suas tiradas geniais. Já o Lucas consegue sempre me surpreender com os arranjos. Uma coisa muito importante de se ressaltar é que esse álbum foi “crowndfundiado” pelo Embolacha, do Paulo Monte e do Bernardo Palmeira.

E o carnaval rendeu?

Se rendeu! Tive um aproveitamento de fotos tiradas / fotos postáveis muito maior que no ano passado. Consegui registrar momentos e pessoas muito interessantes. Tive um pequeno contratempo com meu celular, mas são coisas da vida.
Esse trabalho de Carnaval é sempre muito interessante. Porque por de trás da lente, você consegue perceber que às vezes a pessoa que está fantasiada deixa de ser o objeto importante. Na verdade a pessoa torna-se a fantasia. Veste a carapuça de verdade.
Uma coisa que sempre me deixa muito intrigado é que existem pessoas que só encontro no carnaval. Não adianta tentar marcar alguma coisa durante o ano, só rola no Carnaval. E sempre de maneiras bem inusitadas.
Uma coisa que foi bem marcante nesse carnaval foram as homenagens ao maquinista do Bonde de Santa Teresa e os protestos por causa do acidente. E o que me deixa mais feliz disso tudo é que 2/3 da trilogia de fotografias sobre o Carnaval está pronta. Ano que vem consigo fechar e se tudo der certo, lanço meu primeiro livro.

—————————————————-
Algumas fotos do Ramon feitas em fevereiro:
1 Comentário
por: vinicius postado em: 12/12/12, Destaque tags: , , , , , , , , , , , , ,

1 Comentário

Pingback por Embolacha | Bracin
7 de maio de 2012 às 5h38

[...] leu a entrevista de fevereiro com o Ramon Moreira deve ter visto a citação que ele fez ao site de financiamento colaborativo [...]

Deixe um comentário