OEsquema

Movimento “Não Queremos”

O movimento Queremos é uma das coisas bacanas que aconteceu na cena carioca nos últimos tempos. Crowdfounding, como todo mundo já deve saber, é quando um grupão de gente se une para conseguir realizar algo. Por uma causa em comum. Não é “uma vaquinha para ajudar”  (que é o que mais se vê, mas esse papo é pra depois). Inspirado nisso, resolvi lançar um novo movimento de crowfounding, o “não queremos”.

A primeira iniciativa do “não queremos” é “saxofonista mala do Arpoador”. Quem mora no Rio e vai na praia em Ipa sabe do que estamos falando. É esse sujeito que toca saxafone em frente ao restaurante Azul Marinho. Repertório preferido: bossa nova… Suas canções “pega turista” ecoam pela praia. E você pediu para ouvir sax?  Para participar, basta  depositar uma generosa contribuição no chapéu do movimento – ao lado do chapéu do saxofonista.  A valorosa quantia será entregue ao mesmo quando ele for embora. Engaje-se!

A segunda ação do “não queremos”. “Não queremos o saxofone no mundo”. Saxofonistas, reflitam: trompete é ótimo.

10 Comentários
por: johallack postado em: Sem categoria

10 Comentários

Comentário por Ana Stern
16 de abril de 2012 às 12h22

Nossa, que babaquice! Nem acredito que to lendo isso… rs

Responder

Comentário por Camila
16 de abril de 2012 às 12h29

Isso eh o que, falta do que fazer?

Responder

Comentário por ma
16 de abril de 2012 às 12h49

Egoísta não só do ponto de vista de atrapalhar um trabalhador, mas também pelas pessoas que, diferentemente de vocês, gostam da música dele.
Se ele não agradasse muita gente, já teria desistido de estar nesse ponto.

Responder

Comentário por Diogo Batalha
16 de abril de 2012 às 13h10

Que idiotice… vou fazer o crowfounding “menos blogs, mais arte na rua”.

#classemediasofre

Responder

Comentário por Ana
19 de abril de 2012 às 12h57

Que merda é essa? Ei, vc não é a escritora do 02 Neuronio? Eu costumava gostar de suas colunas. Pq vc tá escrevendo besteira agora? Isso é, se vc não estiver brincando… é sério isso mesmo? Não pode ser né??

Responder

Comentário por johallack
25 de abril de 2012 às 12h28

Como assim “isso é sério”?

Responder

Comentário por Buendía
19 de abril de 2012 às 16h02

Pobrezinha… Várias pessoas têm a audácia de gostar de algo que ela não gosta. Como sofre.

Responder

Comentário por bernardo
9 de maio de 2012 às 12h04

Sou a favor do “Não Queremos”. “Não Queremos” música na praia, por exemplo. Não interessa se é música boa, chata, calminha… Na praia é pra ouvir o mar, “olha o mate”, conversa dos outros, apito, até “pega ladrão” se for o caso.

Quanto ao sax, quando eu comecei a tocar, ele era o símbolo do Free Jazz, era o instrumento da Lisa no desenho animado mais maneiro dos últimos tempos (que passava na Globo), tava em várias músicas legais. Apesar do Kenny G, era moda. Passou o tempo, o trombone tentou engrenar (quantos shows não tinham dois trombones? Reggae B, Seu Jorge, Orquestra Imperial). Mas o que pegou mesmo foi o trompete. Moda do trompete.

É isso mesmo? Instrumento de sopro tem que ter moda, então? Fica aqui o meu protestinho.

Responder

Comentário por Mateus C.
21 de julho de 2012 às 1h36

O Bruno Maron já tinha dado um papo parecido num dos (muitos) quadrinhos geniais dele >> http://dinamicadebruto.interbarney.com/2012/ainda-pode-melhorar-isso-ai/

Eu toparia, fácil, fomentar o Não Queremos.

Responder

Deixe um comentário