OEsquema

Arquivo: Entretenimento

O F.A.Q. de Paris

Eu fui pra Paris (ok, já faz um tempo… mas sabe como é) e devido a alta demanda de informações sobre a cidade por parte de amigos e familiares resolvi começar esse post em forma de FAQ.

1. Uau você ta chique heim???
É o que parece. Mas se você me visse com os joelhos encolhidinhos na poltrona do Eurolines (é um ônibus) de 35 euros as 2h da manhã, tentando dormir sem a possibilidade de reclinar a poltrona, TALVEZ não achasse isso.

Não estou reclamando, apenas expondo os fatos.

2. Mas você vai sozinha? Paris é uma cidade pra ir acompanhada!!!
Não exigiram acompanhante na imigração. Ainda bem, porque meu namorado tava trabalhando lá na Holanda, por isso não pode ir. Não vi o tal do romantismo, quer dizer, não mais do que a gente vê em toda linda cidade europeia e tal.

07052011-P1030747

Olha aí, a parede que tem 'eu te amo' em todas as línguas possíveis

3. E ai??? Viu a Monalisa???
Puxa, apesar de aparentemente o museu ser de graça pra residentes na Europa de menos de 26 anos, eu fiquei com preguiça. Tambem, depois de ouvir tantas vezes que é um quadrinho de 30 cm de altura meio decepcionante…

4. Mas nem no Louvre você foi?
Não!

5. Mas onde você foi então?
Gente… Vários agentes de turismo em potencial, não?

6. Tá, ai, desculpa. Onde você ficou, hostel?
Não. Couchsurfing.

05052011-P1030666

A Ponte das Artes, onde as pessoas colocam cadeados com o nome da pessoa amada

 

7. Ai… você não tem medo?
Hum… não fui sequestrada, violentada, maltratada, não fiquei desconfortável: dormi em um belo sofá-cama na casa de um ativista político colombiano que mora em Paris há 20 anos, fala português, e até bicicleta oferecia pros couchsurfers na casa dele.

8. Que sorte!
Claro, sorte é certamente o fator maior aqui: o menor é as mais de 100 qualificações positivas de viajantes pra ele no couchsurfing.com.

E acabou o FAQ. Se ficou alguma dúvida, favor incluí-la nos comentários. Voltando a Paris (metaforicamente), eu fui a Torre Efiffel e ela existe mesmo, posso provar com fotos. Além disso, ela é muito, muito grande, daquelas que são super maiores do que parecem. Não é assim, bonita, sabem? A estrutura de metal retorcido passa aquela impressão de arquitetura de revolução industrial que não é necessariamente algo agradável para os olhos. Impressionante mesmo é a Champs-Elysees, gigante, linda, o seus entornos, com parques fantásticos, fontes lindas e tudo o mais. E tem Montmartre, com suas casinhas e predinhos tão bonitinhos, bares frequentados por Van Gogh e Picasso. E a Ile de la Cite, de onde se vê o Sena por quase todos os ângulos. E ele é bonito, mesmo.

As coisas mais legais que eu vi foram a gravação de um clipe de Bollywood na Ponte das Artes (a dos cadeados) e um cara que fazia embaixadinhas em cima de um poste em frente da Sacre Coeur em Montmartre.

05052011-P1030667

OLHA RIVALDO SAI DESSE LAGO

 

07052011-P1030712

O maluco ganhou muitos aplausos da multidão de turistas

O charme que todo mundo menciona quando fala de Paris é todo verdade. E olha que eu nem botava fé nisso. Paris é aconchegante onde você for, dos bairros mais abastados aos mais periféricos. E é impressionante conseguir manter esse ar mesmo quase não tendo casas, só predios, com tanta gente indiferente por todo lado, gente dormindo na rua e no metrô, aquela frieza de cidade grande. Mesmo com tudo isso – aliás, somando tudo isso -, Paris e suas centenas de monumentos e cantinhos escondidos cheios de história da arte e da literatura têm sim o charme que atribuem à cidade.

Eu fiquei num bairro chamado Chateau Rouge, cerca de 15 minutos (de metrô) do centro da cidade, a Ile da la Cité, um pedaço de terra no meio do Sena que originou a cidade de Paris. Só que entrar e sair pela porta do metrô, no caso, parecia muito mais com entrar em um portal de teletransporte – Chateau Rouge era um pedaço de Luanda no meio da capital da França.

Em Chateau Rouge...

Em Chateau Rouge...

Vi muitos pombos, muito cinza, muita gente apressada, poucas bicicletas, ouvi muitas buzinas e quase fui atropelada por um motoqueiro sem coração. Senti cheiro de pão fresco a cada esquina, odor insuportável de urina no metrô, e até frango assado rodando no espeto de domingo eu vi.

Paris me lembrou São Paulo, se São Paulo tivesse uns mil anos de história e, com eles, tivesse tantos monumentos, muitos parques, alguma organizaçao e gente falando francês. Paris deve ser a a única capital europeia que eu chamaria de prima próxima das grandes cidades brasileiras. Não sei se são os muitos prédios com cara dos anos 50 misturados aos edifícios do início do século, o metrô que corre por cima da cidade, a sujeira nas ruas… pode ser tudo isso junto.

 

07052011-P1030726

Ai, ai...

 Gosta de ler sobre viagens? Visite o http://www.drumbun.com.br - lá eu escrevo só sobre os lugares que visito. :)

13 Comentários

Um belo presente de Natal e como ficar invisível

Eu, como tô meio sem grana, já decidi o presente de Natal que vou dar pras pessoas próximas: a capa da invisibilidade do Harry Potter.


Olha ela aí


A descrição da oferta IMPERDÍVEL

Claro que o valor que esse vendedor está pedindo é um absurdo; dá pra encontrar umas coisas genéricas bem mais baratas lá na Santa Ifigênia – é o que eu vou fazer, aliás. Outra alternativa pra ficar invisível gastando pouco ou quase nada é um feitiço do livro de São Cipriano pra ficar invisível; minha vó jura que nos tempos de juventude dela um rapaz que era procurado pela polícia executou a parada e não era encontrado de jeito nenhum.

Mas eu fui dar uma olhada e quero ver neguinho conseguir fazer o feitiço: envolve matar um gato preto e enterrar ele sob determinada fase da lua, e tirar um osso, e COLOCAR O OSSO NA BOCA (entre outras coisas). Toda vez que você colocar o osso na boca, ficará invisível (o osso também, RISOS). E faz sentido: se você está colocando na boca um osso de gato, é importante que ninguém esteja te vendo. O lance é que, se não funcionar, São Cipriano pode ser considerado o maior troll da história.

Outra possibilidade mais acessível está disponível no site http://www.thesecretofinvisibility.com/. Por cerca de 25 doletas, você recebe um e-book com o segredo para ficar invisível, e ainda ganha de brinde o livro com as dicas para controlar animais e reviver bichos mortos (uma pechincha, né). Tem até relatos de usuários satisfeitos com o produto – sem fotos, é claro. HEH

Aguarde, porque eu vou comprar essa parada pra fazer um teste. Assim, quem sabe, posso voltar ao cinema e assistir – dessa vez de graça – Harry Potter and the Deatlhy Hallows PARTE I, que eu vi na quinta-feira a noite, na primeira sessão, como é de costume. Todos os anos eu acabo comprando ingresso pra estreia e vou com os amigos que, como eu, leem Harry Potter desde que tinham 11 anos e blá blá blá. Você já deve ter lido sobre essas pessoas estranhas; eu sou uma delas.


São elas que colam essas coisas nas paredes dos shopping antes da estreia do filme

Bem, o filme é o melhor de todos os 7 já lançados até agora. E é importante que você saiba que eu estou dizendo isso porque sou uma fã que veio dos livros; do contrário, eu provavelmente acharia que ele desperdiça uns 40 minutos mostrando a jornada de Harry, Rony e Hermione num momento em que virtualmente nada acontece. O lance é que no livro é exatamente assim: tem um longo período em que, hum, nada acontece. E o que é engraçado é que isso fica muito claro pro leitor e é tão real que o Rony se irrita e deixa o grupo justamente porque nada acontece. E não venha me falar de spoiler; isso está em um livro que foi lançado em 2007, eu acho que posso falar três anos depois.

É o mais fiel aos livros, e isso se justifica pela divisão em duas partes: no fim, terão sido umas seis horas de filme, e ainda que muita coisa fique de fora, o essencial para o fã estava lá. E eu achei uma boa maneira de deixar satisfeito aquela pessoa que é a única que, nesses tantos anos, se dispôs a comprar o ingresso para a estreia, ir fantasiado (BRINKS amicos) e a coisa toda. A GENTE MERECE!

E por último: não leve seu filho de 3 anos pra assistir! Ele pode gostar de Harry Potter, mas a primeira ou segunda cena mostra uma mulher ensanguentada presa de cabeça pra baixo sobre uma mesa cheia de caras maus, muito maus, que depois de rirem dela, matam-na com uma maldição imperdoável (é, o Avada). E isso não é material pra crianças, é coisa séria. Harry Potter não é bagunça.

3 Comentários

O Planeta Terra até então

O que rolou (ou melhor,  o que eu vi rolar) nas primeiras horas de Planeta Terra.

Style:

Gente com cola na mão pra não perder nada:

Os gaaaatos do Holger:

Of Montreal performático:

Eu pagando uma leve pizza suvacal no Of Montreal:

Agora estou me preparando psico e fisicamente para pular horrores no Mika e Passion Pit.

Let’s go!

PS: Não fiz a Aretuza nem na montanha russa nem no Evolution. BOA!

4 Comentários

Planeta Terra 2010: ganhe um ingresso!

Não sei se você sabe. De qualquer forma, vai saber agora. Eu criei esse blog, no longínquo ano de 2007, com a intenção de que ele fosse um semanário musical. Fui inspirada pelo Festival Planeta Terra, que aconteceria tipo no mês seguinte e inspirou uma cobertura gigante aqui.

Queria ter um espaço pra falar do festival e, quem sabe, um dia me tornar um blog relevante o suficiente pra ganhar ingressos pra ir nos shows que gosto. No ano seguinte, eu fui convidada pra ser um dos blogs embaixados do Planeta Terra. E assim foram nos anos seguintes. Inclusive na edição desse ano. MISSION: ACOMPLISHED

É verdade: em 2010, esse festival tá indie demais. Mas tem Smashing Pumpkins e Pavement pra quem não curte essas coisas novas. E, pra quem curte, aí é imperdível mesmo: Of Montreal, Phoenix, Hot Chip e Empire of the Sun.

Beleza, os ingressos acabaram, MAS nós estamos sorteando um. É sorteio, não é concurso cultural nem nada.

É assim: basta preencher os comentários com seu nome, e-mail, @ no Twitter e a banda que você quer assistir no Terra até amanhã, sexta, às 14h. E precisa me seguir no Twitter. Não, sério – não reclama. Eu podia pedir pra você TWITTAR a promoção.

EDITADO: A vencedora foi a @biapoiani:

O resultado será divulgado na sexta, 19 de novembro, as 15h. E só participará do sorteio quem se encaixar em todos os critérios. O ingresso deverá ser retirado em mãos comigo até sábado, as 13h. Combinaremos o melhor jeito de fazer isso uma vez que eu souber quem é o grande vencedor.

Enquanto isso, vou te dando umas ideias do que EU quero ver no Playcenter:

42 Comentários

BARRIGADA

Eu não sei do que é esse comercial, não me perguntem.

5 Comentários

Canção para o estuprador

O Autotune The News é um site que pega vídeos noticiosos, tirados de jornais gringos, e mete-lhes o Autotune. O Autotune, aos que não sabem, é um programa que o Sean Kingston e o Akon e o Kanye West curtem muito, mas que curtem também praticamente todos os artistas de hoje em dia. Ele serve para afinar um trecho desafinado, mas basicamente, pode musicar qualquer trecho falado e transformá-lo em qualquer melodia.

Assim fizeram as versões musicadas do Double Rainbow, Oh My God.

Mas a melhor versão do Autotune The News é recente. O vídeo que deu origem à música é esse:

É que, como você já notou, apesar de ser uma notícia série, é impossível levar a parada a sério uma vez que o irmão da menina atacada aparece. Ele me lembra alguém, inclusive:

JAZZY!!!

Transformada em música, o episódio do estuprador louco ganha uma outra dimensão (e o nome genial de The Rapist Song):

Habilite as legendas e cante junto. Ouça uma, duas, três vezes. Hoje eu cantei no banho, palminhas no segundo refrão. Ou fique com uma versão mais étnica (na boa, o YouTube tem centenas de covers, já, é só fuçar):

31 Comentários

O barraco de Sorocaba

Histórico de MSN é dessas coisas traiçoeiras da vida. Você dificilmente se lembrará dele até que precise de um trecho de alguma conversa, ou quando alguém chegar com um chumaço de papel impresso com os 5 anos de conversas suas com o seu amante, marido desse alguém, e der com o chumaço na sua orelha. Acontece.

Daí você vai querer ter frequentado aquele cursinho de informática na Bit Company que seu marido insistiu para que você fizesse. Lá, você aprenderia que era possível simplesmente não ter salvo as conversas, e agora o Brasil inteiro não estaria sabendo que você traiu seu marido com o marido da sua melhor amiga, seu compadre.

Mas é como eu disse, super comum. Incomum mesmo é intimar (/gíriademano) a amante do seu marido, socar a mulher e gravar em vídeo. Dizer pro G1 que seu objetivo era só deixar o vídeo exposto em sua página no Orkut e achar que tudo bem. Porque cuidado com o que você deseja, né?

O barraco de Sorocaba, como ficou conhecido o episódio, passou de problema de família em cidade pequena a assunto de interesse nacional. Virou Trending Topic no Twitter na segunda-feira à noite. A Vivian e a família dela certamente perderam o sono, muito mais do que já sabiam que perderiam no meio de tanta confusão. E estragaram qualquer chance de voltar a ter uma vida minimamente normal ao menos nos próximos meses – pra ela e pra todos os envolvidos.

É por isso que eu acho que quem reclama que a internet tira a nossa privacidade são as mesmas pessoas que colocam esses vídeos delas no Youtube e querem que eles fiquem restritos a um público selecionado. Não dá nem pra dizer que não tem como restringir o acesso, porque essa opção é bem explícita quando a gente sobe um vídeo no YouTube.

Outra coisa que o sucesso do barraco prova é que programas como o da Márcia Goldschimdt jamais sairão do ar. O que a gente curte mesmo é um barraco.

Mas dane-se essa doutrinação barata sobre o que é culturalmente enriquecedor no consumo de entretenimento e o que não é. O importante aqui: você é #teamvivian ou #teamjuliana?

Tenho certeza que essa imagem, que eu tirei lá da PIX, vai te ajudar a fazer um julgamento justo e equilibrado da situação.

19 Comentários

Qual sua desculpa pra ver Big Brother?

(Clique para ampliar)

Geralmente, minha desculpa é a primeira. A sua, qual é?

A verdade é que eu realmente acredito nessa desculpa – na realidade, aprendi umas coisas sobre Big Brother acompanhando Big Brother.

A primeira é que o programa só é uma merda se você pegar do meio. Ligar a TV um dia e tentar ver é constrangedor. Mas ele faz muito sentido se você pegar as nuances do começo, a maneira como as pessoas começam a se relacionar, as cartas que elas jogam… essas coisas. Daí, obviamente, vicia. Quer acompanhar até o final.

A segunda é que Big Brother é mais ou menos como novela: você não precisa assistir todo dia pra sacar o que está acontecendo. Até porque o pessoal do Twitter se encarrega de te manter informado. Eu mesma só assisto alguns trechos pelo YouTube, porque na hora em que o programa passa eu ainda não cheguei do trabalho. E tipo, estou aqui defendendo meu direito de acompanhar BBB, mas se um dia eu vier defender o meu direito de ASSINAR UM PAYPERVIEW 24 HORAS DE ALGO ASSIM, favor checar se sou eu mesma. Grata.

Enfim. A terceira coisa que eu descobriu é que o Bial é quase motivo suficiente pra pessoa desligar a TV de vergonha alheia. Se parte do constrangimento é causado pela galera UHU-I’VE-GOT-A-FEELING, o Bial com seus poemas bisonhos, os comentários esquisitos e ocasionais chiliques constrange ainda mais.

A quarta coisa que aprendi é que… que eu não estou aqui para fazer amigos. Isso é um jogo. Estou aqui pelo 1 milhão e meio de reais.

A quinta: é engraçado. É engraçado ver como gente supostamente madura se reduz a discussões de gente de 12 anos (tipo “SEU BOBO” “BOBO É VOCÊ” sendo repetido durante minutos, aos berros), como uma menina briga com a outra para manter em segredo o fato de que ela PEIDA, ou como uma pessoa sai e diz que AQUILO ALI É VIDA, BIG BROTHER É COMO A VIDA REAL.

Por fim, nossa maior angústia é quando o telefone toca.

Claro. Porque eu e você passamos o dia inteiro na piscina, malhando, contando estalecas. E a noite nos produzimos pra nossa festa temática.

14 Comentários

Um negócio que você não poderia morrer sem saber

Falando em Jesus, olha esse vídeo que o @grandeabobora postou. É bem bom:

20 Comentários

Crianças…

Eu gargalhei alto com essa foto. E tem outras imagens divertidas protagonizadas por crianças, por aí. Uma das minhas preferidas:

Nunca descobri se isso é montagem, mas não parece, e mesmo se for é genial.

6 Comentários
Página 1 de 13123456789...Última »