OEsquema

Arquivo: Política

Todo mundo virou analista político – e isso é ótimo

Eu comecei a assistir Downton Abbey esse fim de semana, uma série inglesa que retrata as tramas de poder da aristocracia britânica do início do séc. 20. O recorte é a família e os criados de um nobre – acho que dá pra chamá-lo de nobre – de uma cidadezinha no interior da Inglaterra.

Com a maratona de 7 ou 8 episódios que vi, fui tomada pelo espírito inglês extremamente polido. Eles são super educados – até a maneira como tratam os empregados, e isso há mais de 100 anos, ainda é superior ao jeito que muita gente por aí fala com a diarista. Uma frase me marcou: a matriarca da família, interpretada pela Maggie Smith – que pra mim vai ser sempre a McGonagall – que tem aquele humor inglês de um sarcasmo quase cortante, encontrou a maneira mais elegante do mundo de dizer pra alguém: “você nunca está satisfeito com nada”.

Prefiro ela como McGonagall

Prefiro ela como McGonagall

Ela diz: “Me encanta a maneira como você sempre é capaz de enxergar algo que possa melhorar em todas as coisas.”

Então, pra não ser mal-educada, é isso que eu vou dizer pra alguns. Me encanta a maneira como vocês sempre são capazes de encontrar algo a ser melhorar em qualquer coisa. E eu estou falando de um aspecto muito específico das eleições no Brasil, que é algumas reclamações recorrentes de que “agora, todo mundo tem uma opinião pra dar sobre política”, ou “agora, todo mundo é analista político”.

Pois adivinha – todo mundo tem direito a ter uma opinião sobre política e a enunciá-la, felizmente. Além do mais, não é disso que a gente tem reclamado a vida inteira? De que o “povo brasileiro” é alienado, não é politizado, não se interessa por política, vota e não se lembra em quem votou, que só tem opinião sobre futebol… Eu credito isso às redes sociais, mas a gente – o brasileiro – está num momento de crescente politização. Acho até que a condenação dos mensaleiros pode ter restaurado nossa esperança com a política, de leve. Até quem não entende nada e repete opinião dos outros está se sentindo na obrigação e no direito de opinar. E acompanhada disso, vem a vontade de se informar, de ler opiniões que podem ser contrárias – e, quem sabe um dia, considerar a possibilidade de se questionar. Vale lembrar: duvide sempre.

Não tô falando daquelas opiniões escrotas e vazias, daquele povo que fica ofendendo quem votou na oposição ou de quem fica torcendo pra que os pŕoximos anos da cidade sejam horríveis só pra poder estar certo (aliás, que coisa horrível de se fazer). Me refiro a crescente tendência das pessoas em opinar sobre política, e não é só na internet, porque pessoalmente os papos envolvendo os candidatos também estão mais frequentes.

Mesmo com tanta abstinência nas eleições (em SP e em Santo André, pelo menos, girou nos 30%), o que é a maior prova que muita gente ainda prefere ficar longe da política, eu fico feliz que tenha tanta gente virando ‘analista político’. Na maioria dos casos, é melhor ter alguma opinião do que não ter nenhuma.

Mais uma coisa (editado): não estou falando de ativismo de sofá, tipo colocar o sobrenome “Guarani-Caiowá” no Facebook. Estou falando de sentir mais seguro, mais confortável e mais apto a discutir política em qualquer plataforma online e offline, e de fazer isso com mais frequência. Isso é importante e deveríamos estar comemorando o fato de que há tem mais gente fazendo isso.

3 Comentários

Nós somos o povo

Essa noite, eu tive um sonho meio descritivo do que tá acontecendo com a liberdade de expressão em SP. Eu tinha viajado com amigos pra uma cidade do interior. Veio a polícia e me multou por SER EXPANSIVA, de acordo com ela: falar alto e mexendo as mãos e os braços e tal (qualquer influência desse post do Matias na minha percepção de mim mesma é mera coinciência).

E ai a Marcha da Liberdade foi proibida. O juiz entendeu que a marcha é a mesma de antes, só que com outro nome, o que provavelmente implica que ele nem entrou no site da marcha pra ler o número de entidades não relacionadas com luta pela descriminalização de drogas que aderiram.

Imagina só se todo tipo de manifestação pudesse ser reprimida cada vez que um juiz entedesse que ela não é exatamente para o que é, considerando que o argumento do juiz é baseado (DESCULPE POR USAR ESSA PALAVRA POR FAVOR NÃO PROIBAM MEU TEXTO POR APOLOGIA), hum, no que ele acha.

Não vou nem citar aquele trecho da constituição que diz que todo mundo tem direito de manifestar o que quiser sem autorização de nenhuma instituição porque, né, todo mundo já cansou de ler aquilo e diante da situação atual todo mundo também já sabe que constituição não serve pra nada a não ser pegar trechos pra colocar em posts ilustrando indignação. Manifestação nenhuma, nem a Marcha da Maconha, nem nenhuma marcha, pode ser proibida por motivo que seja. Não vejo ninguém reclamando de como a Marcha pra Jesus também obstrui o trânsito e cerceia o direito de ir e vir, aliás.

Mas isso não é importante agora, porque como já ficou claro, não se trata mais de marcha pela legalização de droga nenhuma. Trata-se de uma marcha pelo direito de marchar, o que faz caber todo mundo. Quão fantástico é isso? Não importa se você é contra ou a favor o direito do aborto, ou contra ou a favor do vegetarianismo, da alta do preço da gasolina ou do valor exorbitante das passagens de ônibus. Contra ou a favor de qualquer coisa: tenho certeza que você quer defender o seu direito de ser contra ou a favor do que quiser, porque se há algo que nos resta, é isso.

Plaza Zocodover

Dá pra compôr um reggaeton, tipo TOMA TOMA TOMA LA CALLE/TOMA TOMA TOMA LA CALLE

Porque no Brasil a gente não tem nada pelo que paga ao Estado – nada, nada. Nem escola, nem hospital, nem teatro, nem cinema, nem bem-estar, nem transporte, nem segurança. E a gente não tá acostumado a reclamar, né? Mas se tem algo que de mim eles não vão tirar, é meu direito de falar.

Ontem o bicho pegou em Barcelona. Eu estava em Madrid no dia das eleições, na Puerta del Sol, e vi aquela molecada meio hippie, meio punk, meio politizada – vi gente de todo tipo, na verdade, e de todas as idade – e vi que eles estavam organizados, tranquilos, pacíficos. Que não havia motivo para bater neles. Consigo imaginar que em Barcelona seja igualzinho. E ainda assim, olha o que aconteceu:

 

Existe muito em comum entre os cenários na Espanha e os cenários no Brasil, embora os manifestos em si tenham sido fomentados por situações completamente diferentes. É que, na essência, tá todo mundo cansado do status quo, e encontrou nas redes sociais uma maneira de se organizar pra poder ter direito de brigar pelo que quer na vida real.

Não sei o de vocês, mas dada a minha condição de pessoa muito falante desde sempre na vida, não teria como abrir mão disso. Eu não estou ai pra ir ao vão do MASP nesse sábado, o que é uma pena, porque eu consigo prever que com a proibição e a repressão as consequências vão ser memoráveis de um jeito ruim. Mas memoráveis. Sei que parece injusto, já que eu mesma não vou por impossibilidades técnicas, mas rogo as meus amigos que leem essa budega que nunca fala sério que dispensem uma tarde de seu sábado para tentar tirar São Paulo de 1964, porque parece que a cidade nunca saiu de lá.

Se você não mora em SP, e de alguma maneira isso incomoda, com certeza tem algo que você pode fazer. A minha revolução é com a bunda no sofá e tal, muito embora eu tenha protestado em Madrid (pausa para foto reveladora):

Puerta del Sol

Foi a única placa que a gente achou no chão

Enfim, a minha é de sofá porque o preço da passagem de avião me impossibilita de pensar GENTE ESSE FDS VOU PRA SP Q TAL???. Se a mesma coisa acontece com você e o que te resta é a revolução com a bunda no sofá que, aparentemente, é melhor que nenhuma (preciso remendar minha opinião nesse texto aqui), faz alguma coisa. Nem que seja postar no FEICE uma mensagem indignada clamando por justiça. Sair de casa e organizar uma Marcha da Liberdade na sua cidade também não é ruim, não.

Não que você precise me escutar porque não tem coisa mais babaca do que alguém dizendo VAI LÁ, PROTESTA. Né.

Puerta del Sol

Em Madrid eles são sérios. No Brasil, eu sou a favor de comprar uns engradados e levar pra manifestação e tal

Pra aquecer: o MANIFESTO DA ESQUERDA FESTIVA, na Carta Capital, um texto com o espírito que a coisa toda tem e deve ter. E não esquece do título desse post. Gás lacrimogêneo arde o olho, mas ó, tem coisa pior. Bala de borracha eu nunca tomei, mas se alguma te acertar, tem um consolo… essa geração estúpida, tacanha, de juízes que proibem manifestações populares legítimas de qualquer tipo, e de policiais herdeiros da ditadura que batem em estudantes desarmados e pacíficos, logo logo estará na cova devido ao inevitável: bom, eles estão velhos. Não vão durar muito mais.

Gosta de ler sobre viagens? Visite o http://www.drumbun.com.br - lá eu escrevo só sobre os lugares que visito. :)

14 Comentários

Garota de Berlim por dois dias

Em dois dias em Berlim, eu vi mais de quatro pessoas com o nariz sangrando. Some isso à fama de belicosos dos alemães e você pensará que lá todo mundo se soca frequentemente. Mas não se tratava de porrada comendo solta, é claro, dado que os Berlinenses são muito tolerantes e civilizados: era só o sol forte no cucuruto (ou cocoruto? ou cucoruto?) mal acostumado às altas temperaturas o provável causador da hemorragia coletiva.

(Pronto, esqueceu o título infame, né? Vim aqui te lembrar)

Oi

Classificam Amsterdam como a capital do ‘aqui pode tudo’, mas Berlim sim devia ficar em primeiro no quesito tolerância. Porque lá, apesar de tudo, os imigrantes parecem bem mais misturados aos nativos do que seriam aqui ou na Bélgica, por exemplo. E as pessoas são diferentes como querem. Há uma desorganização natural de cidade muito grande em Berlim, que chega até a lembrar São Paulo, e que permita que todos os tipos de habitantes de centros urbanos saiam das tocas como queiram e a hora que queiram. Dez da noite, óculos escuro, cachecol e bermuda em um frio de 8 graus? Ok. O sol torrando às 14h e chega um grupo de sobretudo, cabelo roxo e mais piercings do que eu fui capaz de contar? Ok, também. Esses tipos são mais difíceis de encontrar em Amsterdam, que é mais uma praça da Sé da Europa. Berlim é como a Augusta daqui.

Em Berlim, souvenir é ushanka (o chapeuzinho russo), máscara de gás e bandeira com a foice e o martelo

Dizem que os alemães são travados, frios. Mas em poucos lugares do mundo um grupo de quase duas mil pessoas sóbrias, dentro de um parque em um domingo de sol, se disporia a participar de um karaoke a céu aberto. Na maioria dos lugares que eu conheço, o MC responsável pela ideia teria dificuldade em encontrar gente sóbria com coragem de se apresentar informalmente em frente a um bando de gente desconhecida. No Mauerpark, em Berlim, as mais de cinco horas que o dono do karaoke dedica à atividade são poucas diante da quantidade de gente que escolhe uma canção pra interpretar. Tem de tudo, de gente tímida à performances dignas de um Berliner Idol.

E isso é só metade (o que coube na foto) da galera que foi ver o karaoke no Mauerpark

E se, dizem, Milão é espelho das passarelas, Berlim é o que dita o que estará nas passarelas ou não. O engraçado é que lá todo mundo se veste bem, homens e mulheres, dos 12 aos 72. E quando você olha pra todos eles fica muito claro que eles não fizeram esforço nenhum pra se vestir tão bem, e a maioria nem sequer gastou muita grana. Eles simplesmente sabem.

Berlim tem museus estonteantes. Digo, isso é o que tava escrito no folhetinho e o que dava pra dizer só de olhar os prédios de fora. Eu só fui mesmo em um deles, que aliás, deveria ser o único museu a visitar em Berlim se você for escolher só um museu para ir em Berlim.

Chama Pergammon e tem milhares de obras de arte e artefatos super ultra muito antigos. Tipo, o Pergammon levou o conceito de MUSEU realmente a sério aqui, porque as peças mais novas têm algo como uns 2200 anos. Tem um templo grego quase inteiro montado dentro do museu. Tapeçarias árabes de 3000 anos atrás, jóias, vasos, estátuas com textos em Aramaico ao longo do corpo são comuns nos corredores. É impressionante. E também faz você se sentir insignificante, mas acho que essa deve ser a definição de um bom museu: ele te faz sentir insignificante.

Isso é um templo grego quase inteiro (chamado Pergammon, heh) dentro de um museu

Contrariando meu post anterior, eu resolvi pagar um tour guiado por Berlim. Em espanhol, mesmo sabendo que teria problema em acompanhar o espanhol ibérico, já que – apesar de mais fácil, na minha opinião – ele é bem diferente do sotaque colombiano/panamenho ao qual me acostumei. E de repente, o cara abriu a boca e eu compreendia tudo. Me achei um prodígio dos idiomas, fiquei radiante.

Mas aí alguém mencionou e eu percebi: ele era gago. Isso explicava muito coisa.

O guia-gago espanhol, que aliás falava galego então entendia meu português, nos levou aos principais pontos históricos de Berlim, que são mais de uma dúzia só no centro da cidade e juntos contam basicamente a história do mundo moderno. Quer dizer, também contam um pouco de história mais antiga, até. Seis horas em Berlim substituem uns dois anos de aulas ruins de história no ensino fundamental. De prédios de 400 ou 500 anos que nunca precisaram ser restaurados, a prédios de 50 anos cheios de marcas de balas que precisaram ser restaurados tipo doze vezes, a cidade é um paraíso pra quem gosta de história.

Napoleão passou por aí, gostou, levou pra França. Os alemães foram lá, ganharam a guerra, pegaram de volta. Heh

Depois do tour, de ouvir mais e mais sobre a história daquele maluco de bigodinho, me dei conta. Hitler tinha tudo, tudo pra ter sido um desses malucos que moram no ponto de ônibus e começam a berrar incisivamente (ele sabia fazer isso, falar cuspindo) sobre alguma teoria maluca que não faz nenhum sentido. Dessas que você escuta atentamente justamente porque são muito mirabolantes. Entre uma observação e outra sobre como ele seria escolhido para liderar a raça ariana até a hegemonia étnica, e como transformaria Berlim na Germania, que seria a capital do mundo puro, ele daria um gole em uma garrafa de gin barato. Daí seu ônibus chegaria e você nem ia lembrar do cara – talvez comentasse do louco engraçado pra um ou dois amigos.

A Alemanha é um lugar tão peculiar que lá esse cara louco virou chefe de Estado. E quase botou sua fantasia nonsense em prática. Claro que existe um contexto: o orgulho nacional enfraquecido pós I guerra, a falta de emprego generalizada (e o fato de Hitler ter criado emprego)… AINDA ASSIM, ELE PODIA TER SIDO UM INDIGENTE.

Fala aí, se não tinha potencial pra mendigão/pregador? E BREAKING NEWS, a Wikipedia me conta que ele realmente JÁ FOI UM MENDIGO! E que os outros mendigos chamavam ele de Ohm Kruger (tio Kruger). Mais info na mãe dos burros.

Na Alemanha, senti falta de conhecer alemães. Eu até ensaiei dizer que eles não são amigáveis com turistas, mas não é exatamente isso. É que, além de não falarem inglês tanto e tão bem quando os holandeses, os alemães aplicam o ‘não tô nem aí pros outros’ que vivem no dia-a-dia também com os turistas. O motivo pelo qual nós brasileiros recebemos turistas com tanta atenção é porque eles são novidade. Aqui na Europa tem tanto estrangeiro que ninguém se preocuparia em tratá-los bem.

Hauptbanhof, a estação de trem que só não é um shopping porque shopping não tem trilho de trem dentro, cheia de alemães que não sabem falar inglês

Se eu falasse alemão, ainda, talvez tivesse mais chances. Mas fiquei encabulada de sair falando inglês assumindo que eles entederiam. Me parece um pouco insensível fazer isso com um bando de gente que durante trinta anos ficou refém de um jogo de estratégia onde eles, sua língua e sua cultura eram tratados como desimportantes frente ao russo, ao francês e, especialmente, ao inglês.

Um dos lugares mais famosos da cidade, o checkpoint Charlie, onde costumava ficar um dos acessos no muro. A placa dá uma ideia da importância que a língua alemã (e portanto, os alemães) não tinha durante a guerra fria, HEH

Senti falta, também, de mais referências à história de Hitler e dos soldados alemães. Há monumentos e museus e homenagens a todos os grupos envolvidos na 2ª GM: aos judeus, aos gays, aos testemunhas de jeová, aos soldados russos, americanos, franceses… todos eles têm memoriais em sua homenagem. Como se fosse possível esquecer o que Adolf (tô íntima) fez, eles querem fingir que nada aconteceu e assim acabam apagando a história do cara (Mein Kampf não pode ser editado na Alemanha, por exemplo) e daqueles que lutaram ao lado dele. Óbvio que eles não merecem homenagens ou memoriais, mas essa vibe tipo ‘gente, vamo falar de coisa boa, TEKPIX! Esquece isso de Holocausto’ eu acho que não cola. A história das pessoas responsáveis pelas coisas horríveis não está em lugar nenhum em Berlim. :/

Foto 'TÔ CURTINO BERLIN MUITAUM11!!11' no monumento em homenagem aos judeus mortos no holocausto, cuja disposição das pedras, aliás, lembra lápides e é meio opressora: você está fazendo isso errado

 

Gosta de ler sobre viagens? Visite o http://www.drumbun.com.br - lá eu escrevo só sobre os lugares que visito. :)

16 Comentários

Muito bem bolado esse Canal do Panamá

Eu finalmente visitei a única coisa que realmente importa sobre o Panamá pra maioria das pessoas: o Canal. Agora, elas vão parar de me encher o saco quando eu disser que estive no Panamá, porque elas sempre perguntavam se eu tinha ido ao Canal e eu dizia que não. Não aguentava mais o ‘coooooomo assim você não foi no Canal?’, perguntado sempre com tom de indignação e voz estridente.

Canal do Panamá

É por aí que os navios passam - não essas portinhas, esse vão paralelo

O negócio é que assim, puxa, que obra fantástica de engenharia, eu reconheço… mas sério, grandes navios passando? Não via e não vejo grande atração nisso. ME CRUCIFIQUEM, mas é isso. Vale a visita se você tiver tempo, mas não é nada que se diga OH MEU DEUS.

Sem querer desanimar ninguém, claro. É interessante.

De todo modo, na última sexta-feira eu e um amigo norueguês, que conheci no Couchsurfing, resolvemos que iríamos nos aventurar pelo transporte público panamenho, ou seja, que iríamos tomar os Diablos Rojos – assim se chamam os ônibus – para ir ao Canal. Foi mais tranquilo do que imaginamos, apesar de eles dirigirem muito, muito mal. Só que isso não é nada que assusta ou surpreende depois de um mês observando o trânsito panamenho, então você deve ficar bem se optar, como nós, pela EXPERIÊNCIA ANTROPOLÓGICA.

Indo para o Canal

Olha o SACA aí!

Assim, antropológica mesmo não foi, até porque, não é como se eu precisasse ver mais panamenhos, eu os vejo todos os dias por todos os lados. Mas foi legal quando entrou um tipo caipira, que aliás, é igual aos tipos caipiras do Brasil: chapéu de palha com aba virada pra cima (à moda sertão-Panamá), mascando um galhinho, calça jeans, bota, mochilinha. Coisa fina. E quando um vendedor ofereceu duas escovas de dentes por 1 dólar (eram daquelas boas, com mil cerdas e borrachas!), e quando uma senhorinha foi à frente do ônibus e disse:

“Algum cavalheiro poderia ceder o lugar a essa velha senhora?”

E um tiozinho lá atrás, uma espécie de Hector Bonilha depois dos 50, fez a gentileza. É que os ônibus panamenhos não têm assentos preferenciais, obviamente. Outra coisa legal (“legal”) é que aqui os bancos dos ônibus são, como quase todos os bancos de ônibus do mundo, projetados para comportar duas pessoas, ainda que meio desconfortáveis. Até aí, nada de mais – o lance é que eles fazem do limão limonada, e é comum ocupar um banco com três pessoas. E elas simplesmente vão chegar e sentar-se, apertando você e seu brother de banco. Se um dia você vier e isso lhe acontecer, não estranhe (ou estranhe, mas de todo modo, você já foi avisado, então apenas dê uma risadinha e lembre-se desse blog).

E aí, bem, o Canal.

Olho no mapa!

A história é assim: desde que descobriram essas terras, já sacaram que a distância entre o Atlântico e o Pacífico por terra era tipo supercurta. Há registros de cartas dos exploradores para o rei da Espanha mencionando que seria legal ter um canal aqui pra não precisar dar tooooda a volta. Eu fico me perguntando como é que o cara saiu andando, chegou em outro pedaço de água e soube que não era o mesmo. Porque ele certamente não contornou a costa do continente inteira a pé pra ter certeza, e a terra podia muito bem acabar ali na frente, mais adiante. Podia já existir um vão no meio, aliás. Não sei como eles sabiam, MISTÉRIOS DA FÉ.

De todo modo, primeiro os franceses tentaram construir o Canal e fracassaram – esquema MAD MARIA, nego morrendo por causa de Malária e Febre Amarela. Foram 20 mil trabalhadores franceses pra vala. Daí anos depois vieram os americanos fazer o negócio direito. Aproveitaram escavações começadas pelos franceses, mandaram bala e, com mais grana, investiram em pesquisas pra tentar achar uma solução pra Febre Amarela. Erradicaram o mosquito, o que diminuiu as epidemias, e no fim, os surtos acabaram imunizando a população do Panamá contra Malária – hoje, tem Malária na América Central e Latina inteira, praticamente, menos aqui.

A construção do Canal era um acordo dos EUA com o governo daqui e era super justo: os EUA pagavam 10 milhoes de dólares, construiam o Canal e praticamente toda a arrecadação do Canal depois de pronto iria para os EUA, e a área se tornaria território americano. PERPETUAMENTE. FOR GOOD.

E aí você diz: ‘mano, como eles toparam?’

Naquela época, no começo do séc. XX, o Panamá ainda fazia parte da Colômbia (ololco, dessa você não sabia). Os EUA tentaram negociar a construção do Canal com a Colômbia, que ficou enrolando. Daí, DIZEM QUE eles apoiaram os rebeldes panamenhos que queriam a independência, colocando inclusive barcos na costa da Colômbia sob o pretexto de ‘treinamento’, só pra por aquela pressão, né? O Panamá conseguiu a independência e devolveu o favor. É, o mundo é sujo.

Aí, milhares de trabalhadores do muuuuundo inteiro, dezenas de milhares mesmo, vieram ajudar a cavar um riozinho entre o lado A e o lado B do mar, igual a gente faz quando quer ligar aqueles dois pocinhos de água que fez na areia da praia. E já tinha um lago no meio, o que só ajudou.

Dez anos depois, em 1913, estava pronto o Canal do Panamá. Ficou lindão, os EUA começaram a cobrar uma bica dos barcos que passavam, obviamente porque qualquer valor cobrado provavelmente seria menor do que dar a volta lá por baixo no continente, e começaram a fazer grana. Nos anos 70, rolaram uns protestos dos panamenhos, coisa EGÍPCIA ASSIM, PANCADARIA, e o Panamá conseguiu um acordo com os EUA para retomar aos poucos o controle do Canal, chegando a 100%  em 1999.

Canal do Panamá

Eu estava lá e posso afirmar, REALMENTE FUNCIONA. 'Bem bolado', diria Silvio Santos

E assim foi. Exceto que quando os EUA saíram, em 1999, eles deixaram um monte de gente sem emprego, HEH. E geral achou que o Panamá, então com desemprego recorde, não ia saber gerir o Canal sozinho nem realocar essas pessoas apropriadamente no mercado de trabalho. Mas ó, tá rolando. Eles reformaram as estruturas, aumentaram o tráfego de barcos e a arrecadação, estão construindo novas eclusas e é por causa da grana que tiram de lá que as coisas aqui melhoraram – tipo a segurança, ou a modernização da cidade, por exemplo.

Moral da história: o vilão é sempre os EUA. Exceto quando ele é o terceiro país que mais lê o blog, depois de Brasil e Portugal. Aí ele é mocinho.

O Canal tem um prédio turístico, com um museu bem legal que conta a história da construção e vááárias espécies de insetos e peixes que vivem ali na região biodiversidade essa que foi toda prejudicada com a construção do Canal, provavelmente, mesmo que isso não seja mencionado em nenhuma plaquinha explicativa do museu. Acho que foi a parte em que mais diverti, gosto de insetos.

E tem uma varanda grande, de onde é possível ver – tchanam! – as eclusas funcionando e os grandes barcos passando! É interessante, mas um pouco monótono porque demora uma meia hora ou até demais dependendo do tamanho do barco. Basicamente, o sistema tem várias comportas que se abrem e fecham para encher os compartimentos de água, igualar os níveis e transportar a embarcação… é, eu sei que não fez sentido. Mas é meio difícil de explicar, mesmo, então olha aí como funciona:

Ah: tem uma loja de souvenirs, óbvio, mas concluí que é, sem dúvida, o estabelecimento comercial com preços mais desproporcionalmente caros do país.

Quero ir ao Canal!

A parte que inclui vir ao Panamá eu não preciso explicar, né? Bem, considerando que você já está aqui, o melhor horário em dias de semana é chegar lá até umas 13h30, no máximo. Mais tarde do que isso, começa a encher.

Você é rico e quer contratar um guia? Ótimo, mas é meio desnecessário. O museu é cheio de plaquinhas bem explicativas e, além disso, se você comprar a entrada completa, de 8 dólares, tem direito a um filme de 15 minutos com toda história do Canal e muita propaganda governista e a conhecer o museu. A entrada que dá acesso somente à varanda pra ver as eclusas custa 5 dólares.

Há dois jeitos de ir até o Canal, que fica cerca de 30 minutos do centro da cidade (sem trânsito, e se você conseguir isso no Panamá, você não está no Panamá). É possível negociar com um taxista por uns 40 dólares, se você falar um ótimo espanhol, que ele te leve ao Canal e depois de volta ao hotel. Se negociar em inglês, o preço pode passar dos 60 dólares. Essa é a opção COXINHA.

O outro jeito é se aventurar nos fantásticos ônibus panamenhos, que aqui custam no máximo 35 centavos de dólar. O roteiro é o seguinte:

1. da cidade, tome um ônibus até a estação de Allbrook. Há vários, basta se informar na recepção do hotel em qual ponto você deve pegá-lo. Outra opção é ir de táxi até a estação – das regiões centrais e hoteleiras, não deve sair por mais do que 2 dólares.

2. quando chegar na estação de Allbrook, siga até a praça de alimentação, ache o Burger King escondido lááá no fundo e vire à direita ali. Você vai sair no pequeno terminal de onde saem os ônibus para o Canal – o nome do ônibus é Saca. É um Diablo Rojo igual aos outros, aliás. Dali, pegue o busão. Até agora, você deve ter gastado no máximo 3 dólares e no mínimo 75 centavos com transporte. AH: no Panamá, você paga o ônibus na saída.

3. para descer, peça ao motorista para avisar ou então desça no ponto em que saírem as únicas pessoas loiras ou caucasianas que estiverem no ônibus, ou seja, os gringos.

4. na volta, você pode esperar pelo mesmo ônibus no ponto do lado oposto da estrada, e ele demora meia hora, dar a sorte de avistar um taxi e fazer sinal (e gastar uma bica) ou então aproveitar os ‘taxis clandestinos’. Espere no ponto e cedo ou tarde um carro vai parar e perguntar ‘Donde te quedas?’. Diga a onde vai e ele dirá um preço, geralmente muito mais baixo do que um taxista cobraria de um turista – algo como entre 2 e 3 dólares. Se são seguros? Eu usei um e foi. O cara dirigia feito um maluco, mas no Panamá, quem não dirige? Peguei muito taxista pior que ele. E ainda rolava um reggaeton de trilha sonora.

Gosta de ler sobre viagens? Visite o http://www.drumbun.com.br - lá eu escrevo só sobre os lugares que visito. :)

16 Comentários

O mundo, os hackers e o viquiliques


“Cuméquichama… viquiliques lácumé”

Todo mundo mantém em segredo alguma parcela da opinião que tem sobre os outros. Às vezes, porque os defeitos não importam muito quando a gente gosta do outro. Às vezes, porque sinceridade demais é indelicado e, às vezes, porque sua opinião simplesmente não foi requisitada.

Imagina só se, de repente, todas as nossas opiniões desimportantes e um pouco críticas sobre os outros, aquelas que a gente diplomaticamente mantém em segredo pra garantir bom convívio social e sobrevivência, de alguma maneira viessem a tona? Consegue imaginar o casos? Provavelmente não sobraria ninguém gostando de ninguém. Seria um mundo repleto de rancor, fofocas, despeito e vingança.

O mundo diplomático está passando por uma crise parecida com essa aí por causa de um maluco chamado Julian Assange, um cara que criou um site – o Wikileaks, para quem ainda não fez a ligação, o Viquiliques, para o presidente – para onde qualquer um pode mandar documentos confidenciais, aqueles segredos de estado top secret. Pela primeira vez na história, as pessoas que definem como são as relações entre os países, e portanto, definem se estaremos vivos ou se seremos atingidos por um míssil nuclear na semana que vem, precisam tomar cuidado com o que dizem.

Elas não estão acostumadas a isso, e eu não as culpo; ninguém está. No lugar delas, eu também gostaria de ver o responsável por isso morto. No meu lugar, eu acho tudo muito engraçado e revolucionário (desde que não chegue na parte que envolve os mísseis nucleares).

A parte ruim é que estão querendo encurralar o pobre do Julian Assange (é o cara que criou o site, gente).

Jornalista só se fode

Acusaram-no de estupro lá na Suécia. Acabou que o crime foi não usar camisinha com duas mulheres com quem ele se relacionou em uma semana (a maior prova que ter um site famoso faz você comer mais gente), e isso pode ser considerado uma espécie de assédio sexual de menor intensidade lá na Suécia. Pra começar, se vira moda isso ser crime, eu não quero nem pensar no que aconteceria. Em segundo, a moça que o acusou tem ligações com a CIA e não é a primeira vez que trabalha para a organização nessa história de incriminar alguém sexualmente. Em terceiro, colocar a INTERPOL atrás de um cara porque ele transou sem camisinha, novamente, abre uma jurisprudência perigosa.

Julian não cometeu crime nenhum. Ele divulga documentos liberados por informantes – não é que ele invade os escritórios e rouba papéis das pastas -, trabalha em conjunto com grandes jornais como o El País e o The New York Times, que o ajudam a checar a veracidade das informações que recebe e divulgou, na metade do ano, crimes de guerra importantes cometidos pelos EUA no Iraque.

E a cruzada contra ele é GERAL. Da Amazon à Visa, todos estão tentando impedir que o cara continue fazendo o que faz, e ele já se entregou pelos crimes dos quais é acusado na Suécia (RISOS, CRIME, RISOS). E como mencionou o copanhêro lá em cima, são todas formas de mascarar violações severas da liberdade de expressão.

Ainda bem que podemos contar com o submundo da internet para garantir que nossos direitos não sejam cerceados. Há uma CYBERGUERRA em andamento, agora: um grupo organizado de ativistas hackers está focando as organizações que boicotaram deliberadamente o Wikileaks e provocando ataques organizados contra os sites dessas empresas. Mastercard e Visa já caíram; Paypal é o próximo alvo.

Julian Assange não é ingênuo – provavelmente, em algum momento nas últimas semanas depois do cablegate, ele soube que DEU MERDA. Por isso, se eu (que sou menos inteligente) estivesse no lugar dele, a essa hora já teria criado centenas de mirrors (cópias online) do Wikileaks, (QUER DIZER, http://213.251.145.96/mirrors.html, obrigada @felds) além de orientar algumas outras pessoas para que elas continuassem recebendo os documentos enviados pelos informantes. Se eu estiver certa, a treta felizmente está longe de acabar.

17 Comentários

As maçãs podres

Mais uma sobre a ação no Rio: enquanto tá todo mundo aí com esses espírito muito assustador de ‘vencemos’ (semelhanças com o orgulho americano das tropas na invasão do Iraque são mera coincidência), todo mundo que vê isso como um grande Tropa de Elite 3 esquece que, se isso é o Tropa de Elite 3, alguns policiais ainda representam o capitão Fábio Rosa – é, aquele cara que é um sacana corrupto.

O duro é ver a população honesta do morro – certamente uns 99% dela, aliás -, mesmo diante de toda a humilhação e preconceito, apoiando a ação. Em vez de comemorar nossa vitória, a gente devia cobrar das autoridades que esses bandidos de farda, que mancham toda a corporação e destroem o sentido de ações consideradas vitoriosas, como essa, sejam afastados imediatamente. Eu tenho certeza que esses tipos são minoria, bem como são minoria os criminosos dentro de favelas. Mas enquanto eles existirem, eu não vou apoiar 100% ações como no Alemão.

Basta inverter a situação: e se um grupo de policiais simplesmente invadisse sua casa e revirasse tudo? Não estou falando nem de sumir com bens de valor ou plantar drogas, como é o caso deste rapaz do vídeo. Estou falando só de invasão de domícilio, já que esses policiais não tem mandado e o estado de sítio não foi declarado no Rio (ao menos oficialmente). Nesse caso, qualquer morador do Alemão teria direito de negar a revista da polícia. E aí você acha que o policial ia dar meia volta e ir atrás de um mandado? Não, daí a gente teria provavelmente um caso de violência policial e de abuso de poder, calcada numa tão justificada legitimidade que se assume num momento ‘de vitória tão importante como essa’.

20 Comentários

O que está acontecendo no Rio for dummies


O Meia Hora com serviço de interesse público pra trafica

Tem algo muito interessante acontecendo no RJ nesse momento, às 22h desse sábado, 27 de novembro de 2010. É uma situação única, que provavelmente será lembrada por anos e que está redefinindo alguns paradigmas que acabaram estabelecendo-se sobre a cidade do Rio de Janeiro nos últimos anos.

Eu vou fazer um briefing pra quem não faz ideia do cenário: no Rio, não existe crime organizado, como é o PCC em São Paulo. As facções e as milícias dominam os complexos de uma maneira ligeiramente diferente do que acontece aqui, onde as coisas são menos ostensivas. Lá, os grupos criminosos se beneficiam muito do controle territorial dos morros. Eles podem, com isso, estabelecer as próprias regras, vender gás, GatoNET, fazer os moradores reféns de uma situação que provavelmente não lhes agrada e impedir que aquele território tenha qualquer presença do estado, de escolas a hospitais, além de garantir que nenhuma outra facção tome aquele morro. Eles brigam entre si, e sempre brigaram, o que torna mais fácil para que o estado os combata. E não têm ideologia política que os una, o que dificulta as tentativas de se organizar e formar um grupo só.

Beleza, aí chegaram as UPPs. Basicamente, a polícia AVISA que vai tomar uma favela (isso é para evitar o conflito e facilitar a entrada, e tem funcionado, segundo a secretaria de segurança pública do RJ), o BOPE entra, instala um contâiner e começa a ocupação do território. Os policiais que comandam UPPs são todos recém-contratados e, portanto, supostamente sem os vícios e os traumas que ser PM no Rio pode causar. E aí a vida na favela começa, pela primeira vez, a se aproximar da vida urbana e cidadã: o estado pode fornecer (se faz isso, é outro papo) água, luz, telefone, coleta de lixo, escolas, hospitais. Muitos lugares têm instalações já, mas a prefeitura não conseguia contratar profissionais pra trabalhar nesses lugares por conta do risco.


E você pagando pau pro BOPE. Mano, olha esse babaca

Com a retomada do território pelo estado, a secretária de segurança (segundo eles) cobra as outras secretarias para implantação de políticas sociais e de lazer, para realocar a força de trabalho que perdeu o emprego quando a presença de tráfico ostensivo termina. Porque a UPP não tem o objetivo de acabar com o tráfico – ela quer, sim, acabar com o domínio territorial das facções sobre a comunidade.

Mas há alguns líderes que, é claro, não veem vantagem em permanecer no morro e deixar o crime, seja porque ganham mais no tráfico ou por curtirem essa vida mesmo (nada contra). Estes fogem para outras comunidades ou complexos dominados pela mesma facção. Uma hora, essa panela de pressão explodiria – essa hora chegou.

Acontece que essa panela de pressão é formada, em maioria, por garotos entre 16 e 20 e poucos anos, muito bem armados mas pouco treinados e sem ideologia. Gostam de ostentar o armamento e o ‘luxo’, representado por correntes de ouro e tênis importados. Estão assustados com a perda daquilo que era a fonte de grana deles: fazer os moradores reféns. Esse susto, a princípio, parece tê-los unido – mais um ‘já que estamos na merda, estamos na merda juntos’, mas ainda assim, sem um objetivo comum específico além do ‘vamo pegar nas armas e revidar’.

E nesse momento específico existem interesses muito maiores do que eles por trás. Interesses de bandidos mais perigosos que Elias Maluco e Marcinho VP, gente de gravata, que precisa garantir que o Rio seja (ou pareça) seguro porque Copa e Olimpíadas vêm aí. Não vai sobrar pedra sobre pedra desses garotos que estão impedindo isso – eles vão todos pra vala. Quando a gente vir as imagens, vão parecer todos iguais. Pretos, pobres, armados. E todo mundo vai dizer – ‘bem feito, é bandido’. Só as mães deles vão saber diferenciar um dos outros, no fim disso.


Observe este policial excêntrico. Judeu ortodoxo? Discípulo de Raul? Gaúcho garimpeiro loco? Talvez nunca saibamos

O lance é que, apesar de ser contra a morte (é isso aí: por mim, ninguém mais morria. No mundo. Isso tudo faz parte da minha nova fase zen, e ainda resolveria a falta de cemitérios, por exemplo – daqui um tempo, não teremos espaço pra enterrar tanta gente) eu me vejo bastante escrota quando penso que, a partir do momento que você é um criminoso no Rio de Janeiro e está em combate aberto com uma polícia notoriamente melhor armada, melhor treinada e mais numerosa do que seu grupo, em que lhe foi dada a chance de se render (isso está rolando – muitos já se entregaram) e em que a sociedade inteira parece aprovar sua execução sumária, se você CONTINUA trocando tiros com a polícia, eu penso que você está assumindo um risco bem claro. E que se algo te acontecer, bem, você sabia que isso poderia acontecer.


Esse é um dos que já se entregaram – chama Mister M, é braço direito do chefe do tráfico no Morro do Alemão segundo a polícia, segurava uma bandeira com a palavra PAZ quando foi preso e, como você pode ver, parece muito mais simpático do que muito vizinho meu

A polícia vai invadir o Alemão a qualquer momento. Além do sangue dos criminosos, pode ter certeza que muita gente inocente já morreu e vai morrer no confronto. E eu peço que você pense nisso quando se sinta inclinado a pensar, assim como eu, que a polícia deve mesmo invadir a parada e atirar, porque é o que resta fazer, porque é o preço a se pagar.

É um sacrifício que a gente, a classe média, aceita, porque não envolve matar com bala perdida ou executar sumariamente ninguém que a gente conhece. Um confronto direto desse poderia ter sido evitado com trabalho de inteligência da polícia durante a implantação das UPPs e a evasão dos criminosos pra outros complexos, e o nosso papel seria cobrar isso, e não apoiar que o BOPE saia distribuindo bala. Por mais emocionante que isso pareça para algumas pessoas, gostaria de lembrá-las que quando você liga a TV lá na Globo News, aquilo – apesar de parecer – não é Tropa de Elite: é gente de verdade morrendo.


Trem bala? O RIO JÁ TÁ CHEIO DELES RISOS

Esses enfrentamentos VÃO ACONTECER DE NOVO E DE NOVO, já que o estado vai continuar pacificando as favelas com as UPPs (e olha, eu não sou nada contra as UPPs, pelo contrário). Imagina quanta gente inocente vai morrer com tiro até lá? Quanta gente vai sofrer a humilhação de ter que esvaziar a bolsa pra ir pra casa, gente que vai ter que abaixar quando ouvir barulho de tiro?

Eu penso que, no fim disso – lá na frente, com esses meninos todos no caixão, as comunidades pacificadas, as guerras travadas e ‘vencidas’ pelo estado, o crime no Rio vai se tornar muito, muito parecido com o crime em São Paulo: controlado por uma única e grande facção criminosa que acaba se tornando uma grande empresa do crime, que age por debaixo dos panos mas que é praticamente onipresente. Me diga você: isso é bom?

No meio do caos, umas coisas legais de se ver: o @CasodePolicia, do jornal Extra, do RJ, tem feito um trabalho legal esclarecendo o que é boato e o que é verdade sobre arrastões e incêndios e realiza twittcams periódicas com informações de repórteres direto DO FRONT. Há também garotos que moram no Complexo do Alemão usando o Twitter pra informar a galera em tempo real do que está realmente acontecendo lá dentro. Tem o @igorcomunidade e o @Rene_Silva_RJ, que desde os 11 anos publica um jornal lá, o chamado www.vozdacomunidade.com.br, @vozdacomunidade. Eles ajudam a dissipar boatos e manter moradores e gente de fora atualizados. E tem gente que diz que precisa de diploma pra fazer jornalismo…


Já pedindo perdão pelo clichê, espero que ele continue lindo <3

39 Comentários

O vídeo sobre “política” do Felipe Neto

Se você viu inteiro numa boa, sem se constranger, provavelmente o texto a seguir é pra você.

De fato, várias coisas nesse vídeo não fazem sentido. A primeira é que 100 reais só é migalha pra gente como eu e você, mas provavelmente não é para quem vive com 400 reais por mês. É tipo um aumento gigante na renda. Não vou entrar em méritos partidários – só digo que, nos países de primeiro mundo, todo mundo acha lindo que o governo dê pensão pras pessoas que não trabalham (é, isso rola). “Olha só que lindo nos países desenvolvidos, lá se o jovem não quiser trabalhar, ele pode viver de pensão”. Aqui, é assistencialismo, é dar dinheiro pra vagabundo que não quer trabalhar (reaça tem essa coisa maravilhosa de achar que no Brasil ninguém gosta de trabalhar, só ele, que geralmente nem trabalha).

A segunda coisa que não faz nenhum sentido é esse clipe dessa música horrível no final é que ele só ajuda a alimentar o espírito babaca de falar que nenhum político presta. Porque o tipo de pessoa que repete isso não percebe que repetir isso é só uma maneira de tirar de si a responsabilidade de achar um que preste (é, é incrível, mas tem gente boa na política). As pessoas que bradam que nenhum político presta não sabem em quem vão votar, não querem saber e também não se lembram em quem votaram na última eleição.

É uma maneira muito eficaz de perpretar justamente o que o vídeo crítica, também, dizer que ‘é só a educação que salva esse país, talvez em duas ou três gerações’. Primeiro, porque é o óbvio do óbvio, mas aqui não tem a intenção de ser óbvio, mas de tirar do ombro da minha e da sua geração a responsabilidade de fazer alguma coisa. E é uma responsabilidade nossa, queira você, o Felipe Neto, eu, ou não.

Também não faz sentido que o autor do vídeo mande as pessoas estudarem quando ele fala “dos quatro candidatos…”, “tem alguém aí que vai mudar o Brasil?..”, “as pessoas só votam em quem vai ajudar a classe social delas” e tal. Primeiro porque há bem mais que quatro candidatos à presidência; segundo, que por acaso as propostas de um cara chamado Plínio Arruda, só pra citar um dos quatro grandes, pra bem ou pra mal, mudariam sim E MUITO o país (apesar de que ‘mudar o país’ é uma expressão bisonha. Felizmente, na democracia em que vivemos, nenhuma instituição política tem poder o suficiente pra fazer algo nos termos de MUDAR O PAÍS. Felizmente, há várias instâncias de poder, oposição, e isso equilibra muito a disputa de interesses, o que impede coisas do tipo MUDAR O PAÍS, seja lá o que isso for); terceiro que sim, as pessoas só votam em quem vai ajudar a classe social delas porque… é isso que o voto é. A gente vota em quem acredita que vai melhorar a nossa vida.

Uma coisa que me preocupa de verdade é ver esse bando de gente rica (como eu, é verdade; sou rica) reclamando que o país tá uma merda. AMIGO: você estudou em escola pública? É, eu também não. Você vive com dinheiro suficiente pra precisar de 100 reais a mais por mês? É, eu também não preciso. Sua vida piorou nos últimos 16 anos? Eu acho que não, heim. A minha, pelo menos, melhorou bastante. A da Luzinete, que trabalhou aqui em casa, também. E de todo mundo que é bem mais pobre que eu que eu vejo no trem… pelo menos eles parecem ter uns celulares legais.

Claro que há problemas, eu não tenho dúvida disso. A educação pública é sim péssima, falta transporte público, falta saúde. Mas a diferença entre o meu discurso e o seu é que eu tento me sentir responsável por esses problemas. Eu não ponho a culpa nos políticos (que eu escolho).

Discursos como esse do Felipe são o câncer. São eles que fazem as pessoas se sentirem ok por serem alienadas politicamente, burras, porque tira a culpa delas. SE VOCÊ NÃO SE INTERESSA POR POLÍTICA (e você tem acesso a internet e está vendo o vídeo do Felipe Neto no YouTube) a culpa é 100% SUA. LIDE COM ISSO. Não jogue a responsabilidade na falta de educação pública, em ‘políticos picaretas’, no que for.

*O Felipe é um amigo da internet, que inclusive me pediu opinião sobre o roteiro desse vídeo depois de tê-lo feito. Eu disse pra ele que não concordava, discutimos um pouco sobre política, foi legal. Quando o vídeo saiu e eu vi um monte de gente replicando a posição dele (que eu considero prejudicial pro estado das coisas), resolvi escrever uma resposta. É só pra evitar que muita gente repita o que o Felipe tá dizendo sem sequer contestar; eu tenho certeza que esse tipo de comportamento, de replicar 100% o que outra pessoa diz, é algo com o que ele também não concorda. Lembre-se SEMPRE do MANUAL DA DESCONFIANÇA PRÁTICA. Ele vem a calhar nessas horas. Desconfie de tudo. E sim, isso inclui esse texto.

**Se para você, votar no Tiririca é ‘protesto’ (caramba heim, quanta rebeldia), saiba que você não apenas é um idiota, como está sendo feito de idiota. Confira aqui o Risco do Fator Tiririca.

309 Comentários

Querem rebatizar o Ibirapuera

Ibirapuera é um nome simpático para um parque. Como você deve saber, é tupi-guarani e significa (essa parte você não deve saber) árvore apodrecida – ibira é ‘árvore’, puera é ‘que já foi’. O nome é esse porque o terreno naquela região é muito alagadiço.

Para os amigos de fora do estado, o Ibirapuera é o parque mais popular de São Paulo. Além de árvores e trilhas para correr cobertas de serragem, tem pavilhões em que rolam exposições de arte, shows e eventos. É um lugar bonito, de convergência de classes, onde as pessoas vão para andar de skate, caminhar, jogar pedrinhas na água e tirar fotos.

Nada disso explica porque o vereador Agnaldo Timóteo quer mudar o nome do parque de Ibirapuera para Michael Jackson. Vou refrescar sua mente sobre Agnaldo Timóteo.

agnaldotimoteofotos (1)
PURA SEDUÇAUM

Pois bem. Este senhor, que como todos nós sabemos foi cantor (ou talvez ainda seja, mas hoje sou obrigada a classificá-lo como vereador), quer homenagear o já falecido Rei do Pop trocando o nome do parque mais tradicional de São Paulo, que tem origem nos primórdios da cultura brasileira, pelo nome de um cantor norte-americano. Vamos ignorar a absoluta inutilidade de uma lei como essa e nos focar no absurdo do nome.

Nada contra. Essas coisas municipais só podem ser batizadas com nomes de pessoas que já morreram, então não vai demorar a surgir ruas, alamedas e praças Michael Jackson.

Mas batizar um parque que de domingo lota de criança andando de bike de Michael Jackson é muita sacanagem. Tipo, eu não levaria meu filho em um parque chamado Michael Jackson. E seria mais coerente trocar o nome do parque para Neverland, porque homenagearia Michael sem ficar totalmente nonsense.

E assim, qual é o problema com Ibirapuera? Eu acho um belo nome. Ele que mude o nome dele, puta nome esquisita. Eu tô acostumada com ‘Ibirapuera’ e sinceramente não quero ter que falar “hoje vou ver a decoração de Natal do Michael Jackson”. Ninguém quer. E Ibirapuera já tem um apelidinho maroto, tão tosco quanto SAMPA, mas útil: Ibira. Como você vai abreviar de forma inteligente o nome do parque sele for trocado para Michael Jackson? As pessoas não sabem nem ESCREVER Michael Jackson.

A gente sabe que quando os nomes dos lugares mudam assim do nada, demora pelo menos umas duas gerações pras pessoas chamarem aquela coisa pelo novo nome. Aqui em Santo André existem três exemplos disso:

- O Mappin, que fechou há uns 10 anos dando lugar ao shopping ABC, que todo mundo chama de Mappin até hoje;

- O parque Duque de Caxias, que foi rebatizado de Celso Daniel há pelo menos seis anos e ninguém chama pelo nome do prefeito morto;

- A estação de trem no centro que também foi rebatizada, de ‘Santo André’ para ‘Santo André – prefeito Celso Daniel’ e que ninguém chama pelo nome.

A única coisa que já pegou, ainda que mais ou menos, é a estação de metrô Corinthians-Itaquera. Palmeiras-Barra Funda, nem pensar. Não vou nem falar da Santos-Imigrantes, que ninguém deve saber que existe mas existe.

Não sei qual a do Agnaldo. O MJ deve ter influenciado a carreira dele, sei lá. Mas essa mudança é perturbadora. Sugiro portanto a criação da campanha #IbiraForever, via Twitter. Participe você também.

(Dica do @kadjoman)

312 Comentários

Pela primeira vez, concordo com a posição oficial do Vaticano sobre alguma coisa


Parlamento da Itália criminaliza a imigração ilegal

A Itália tem um problema sério com imigrantes e criminalidade. Têm rolado por lá crimes do tipo estupro e espancamento organizados pelos extracomunes (é como eles chamam os imigrantes ilegais). Isso tem criado um sentimento forte de xenofobia por lá, justificada pela reincidência desses crimes e fomentada pelo conservadorismo do governo do Berlusconi, parece. Frase bonita.

Juntou as duas coisas, lindo, agora imigrar ilegalmente pra Itália é crime. Mas essa não é a parte curiosa da lei.

A proposta aprovada permite a ronda de civis para vigiar as cidades durante a noite, ação que estava exclusivamente nas mãos de policiais (…)

070918_bloguncoveringorg_ku-klux-klan_1

Tem um monte de gente no sul dos EUA louca pra mudar pra Itália

Aparentemente, isso significa que a nova legislação italiana deu aos civis poder de repressão contra imigrantes. Me parece que se eu for um reaça italiano, e estiver em casa fazendo nada no sábado à noite, posso convidar meus amigos e organizar uma caçada ronda de vigia, pra ver se a gente acha algum desses imigrantes sujos.

Alex e seus drugues ficariam extremamente satisfeitos. Não consigo pensar em outra coisa senão uma Ku Klux Klan institucionalizada ou naqueles filmes sobre a Inquisição em que o povo sai atrás das bruxas de tochas nas mãos. É um país de tradições ocidentais, democratas, e tem gente votando por uma lei que fomenta ódio contra estrangeiros.

Eu entendo que as pessoas entram lá e fodem tudo. Não consigo compreender o sentimento em si porque aqui no Brasil a gente não sente esse tipo de coisa, no naipe de ‘nossa cultura está sendo destruída por invasores de outro lugar’. Mas entendo que realmente seja preciso tomar medidas pra que a imigração ilegal e talvez esse tipo de crime diminuam. Só que por mais bicho-grilo que meu papo vá soar, é todo mundo igual. Você não pode ser considerado inferior porque saiu do seu país e foi pra outro. Eu nem acredito nessas fronteiras geográficas, já disse isso – acho tudo babaquice. E pela primeira vez na minha vida, acho que eu concordo com uma declaração oficial do Vaticano:

Para o Vaticano, a imigração não deve ser reprimida como “uma invasão da qual é preciso se defender”. O presidente do Conselho Pontifício para a Pastoral dos Migrantes e Refugiados, monsenhor Antonio Maria Vegliò, acrescentou que não pode ser esquecida que a “soberania está vinculada às convenções internacionais e ao respeito a dois princípios éticos: a defesa da dignidade dos indivíduos e a convicção que toda a humanidade, para além das diferenças étnicas, nacionais, culturais e religiosas, forma uma comunidade sem discriminação entre os povos”.

E por que falar disso? Acho que a maioria dos brasileiros sente uma curiosa relação de proximidade com a Itália, provavelmente porque 90% de nós tem ascendência deles. Quando a Itália não tinha emprego no pós-guerra, eles vieram todos pra cá e prosperaram nas fabriquinhas dos Matarazzo na beira da linha do trem. Mas se eu quiser mudar pra lá agora sou caçada?

terra_nostra1

Quem diria que um nome de novela seria capaz de prever tão bem a possessividade dos italianos com a terra deles?

Eu sinto uma proximidade maior ainda. Moro com meu padrasto, que é italiano, e estudo italiano há uns dois anos. Acompanho o noticiários via jornais italianos, pra entender a maneira como eles fazem jornalismo e o posicionamento deles diante das questões e tal. Sou entusiasta da cultura deles, mas não tenho cidadania italiana. Nem pretendo adquirir. Só isso já permite que eu, se resolver tentar a vida ilegalmente na Itália, seja caçada por cidadãos italianos à noite. Acho que isso me ofendeu um pouco.

27 Comentários
Página 1 de 41234