OEsquema

Arquivo: drogas

O lado escuro de Amsterdam (ou quase isso)

A aura de misticismo em torno de Amsterdam tem mesmo razão de ser, mas eu acho que não dá pra sentir isso se você visita a cidade por três ou quatro dias. Ir pra Amsterdam de onde eu moro, como eu já contei no post sobre o Queen’s Day, leva mais ou menos uma hora, entre ônibus e trem – o que é quase o mesmo esforço que eu tinha quando saia de Santo André pra SP, mas menor, porque pegar ônibus e trem aqui é quase prazeroso. Nos últimos dois meses, fui pra Amsterdam quase todos os finais de semana. E pra mim Amsterdam virou um daqueles lugares que, quanto mais você visita, mais você gosta.

Amsterdam é um lugar diferente. Pelas ruas, você quase não escuta holandês. Nesse fim de semana, inclusive, parece que a cidade foi invadida por brasileiros (deve ter sido o feriado) e eu e a Marcela escutamos português o tempo todo. Mas também muito italiano, e espanhol, e inglês. O lance é que Amsterdam tem esse equilíbrio bizarro entre uma cidade funcional, cheia de habitantes locais, e uma população flutuante imensa, todos os dias da semana.

Show no canal

OLHA A POPULAÇÃO FLUTUANTE IMENSA brinks. Isso é o que rola quando tem show nos canais.

E tem uma combinação de elementos completamente opostos, mas que por algum motivo, funciona. A Holanda é um país velho, e aqui as pessoas envelhecem com dignidade. Sério: saudáveis, com vida social, bem humoradas e educadas. Então não é anormal quando uma velhinha de andador cruza o Red Light District cumprimentando as FUNCIONÁRIAS, porque ela mora ali e conhece todo mundo, nem quando um senhor recusa o assento no tram porque prefere ficar de pé “com sua garota” – foi o que ele me disse.

A velhinha do Red Light District

Ela deu boa tarde a todas as moças da vitrine. Eu e a Ângela vimos

E aí a cada esquina tem uma loja que vende drogas. Não são só os coffee shops, que vendem maconha e haxixe, mas as smart shops, onde você pode comprar ervas alucinógenas de toda sorte, cogumelos, drogas sintetizadas legais, sementes. Sem contar os caras que te oferecem drogas ilegais na rua.

Por causa disso, se você observar as pessoas em Amsterdam, vai ver muita gente com o olho caído e vermelho pelas ruas, ou pessoas mais assustadoras, andando rápido e olhando pra trás, pálidas, suando muito, pupilas dilatadas. Tudo isso é comum por lá.

Amsterdam tem todo tipo de artista de rua, daquelas estátuas vivas até quem se veste de bichinho – tipo, sério, uma fantasia de coelhinho, de cachorrinho – ou com máscara do pânico, sei lá, e cobra pra tirar foto. Tem o cara que toca violino de maneira sublime e um tio sujo com chapéu pedindo moedas enquanto bate as mãos na corda do violão sem fazer acorde nenhum, que nem quando o seu sobrinho de três anos toca. E tem moedas no chapéu dele.

O mano do violino

Esse moço tocava violino bem, e o chapéu dele tava vazio :(

Mas também comum é o trânsito complicado. Gente, nada vai te assustar no quesito “trânsito de Amsterdam” se você vive em qualquer capital do Brasil, mas é que a cidade aqui tem outros PLAYERS. Os trams, cuja tradução mais próxima do português seria o “bondinho”, mas que se parecem mais com metrôs de superfície, correm por trilhos que muitas vezes cortam calçadões turísticos. Têm as bicicletas, que podem vir de vários lados, e os carros – especialmente os táxis, que guiam como malucos pra cima do turistas. Ah, e os canais, que muitas vezes não contam com barreiras na calçada.

O saldo é uma cidade cheia de gente com a percepção alterada, tentando atravessar a rua tendo que olhar pra cinco lados, sem esquecer que também não pode correr e cair na água, ou se distrair com a estátua viva, ou com uma mulher que de tão magra parecia uma caveira (ela certamente era doente), que tinha a coxa mais próxima de um fêmur que eu já vi em uma pessoa que anda e pra completar o cenário carregava um fuzil de plástico em tamanho real junto com a bolsa.

E o que você mais vai ver em Amsterdam é gente sendo salva de ser atropelada por um tram ou uma bike no último segundo segundo. Adrenalina e tal, turismo de aventura.

A host da Marcela é cirurgiã, e nos descortinou o lado negro dessa combinação. O trabalho dela é consertar gente que acaba vítima dos encantos de Amsterdam de algum jeito, desde os que engolem cápsula de cocaína pra traficar droga pra fora do país, até os que se jogam da sacada, bem loucos de de cogumelo, ou quem quebra a perna porque caiu no canal chapado. Na madrugada desse sábado, ela trabalhou a noite inteira.

Com tudo isso, Amsterdam ainda é uma cidade que não te dá, de jeito nenhum, uma sensação de insegurança. Toda a região central, bem pequena pros padrões paulistanos, é bem segura pra qualquer um, acompanhado ou não, caminhar a noite. Não significa que você não vai ver nóias, mas por algum motivo os nóias não incomodam.

Vondelpark

Vondelpark, que é lindo e seguro, mas onde não é bom de andar a noite, dizem - mano, óbvio, é um parque. Mata densa e tal.

E ainda que você vire a esquina e veja uma porção de homens afoitos em corredores do Red Light tão estreitos que fariam aquelas da favela parecerem bem confortáveis, você vira na próxima esquina e tem um maestro em cima de um ponto de ônibus regendo um coral de velhinhos na sacada de um teatro.

Em frente à Dam

Ele parou a rua - e alguns turistas ficavam maravilhados e começavam a tirar fotos e se esqueciam do tram, bem atrás do ponto. Eu salvei uma fotógrafa, juro

É essa dicotomia que dá a Amsterdam essa aura mágica – não é per se o fato de ter um casal de 65 anos fumando maconha no ponto de ônibus ou de você poder olhar prostitutas com lingerie que brilham na luz negra em uma vitrine. É justamente que haja todo o resto: as orquestras nos canais e os corais da terceira idade, as galerias de arte, as pessoas que vivem e trabalham ali, e que tudo conviva em relativa harmonia.

Gosta de ler sobre viagens? Visite o http://www.drumbun.com.br – lá eu escrevo só sobre os lugares que visito. :)

5 Comentários

Esse cara curte muito arco-íris

Via Buzzfeed.

Editado: a versão com auto tune é mais divertida.

7 Comentários

Duvido você conseguir ouvir só uma vez

Pira na letra:

Look at my horse,
my horse is amazing
Give it a lick
Hmm, It tastes just like raisins

I have a stroke of it’s mane
It turns into a plane
And then it turns back again
When you tug on it’s winky
Ohh that’s dirty

Do you think think so?
Well I’d better not show you
where the lemonade is made
Sweet lemonade
Mmm sweet lemonade
Sweet lemonade
Yeah sweet lemonade

Get on my horse
I’ll take you round the universe
And all the other places too

I think you’ll find that the universe
pretty much covers everything
Shut up woman get on my horse!

E a música ainda é boa. Puta merda. Tem outras – essa aqui embaixo não é tão boa, mas também é interessante:

3 Comentários

Domando o espírito selvagem do rum

Ontem, fui num bar lá na Bela Cintra numa festa que a Bacardi promoveu pra ensinar um bando de nerds uns blogueiros a fazer Mojitos.

amd_mojito

Isso é um Mojito

Eu não sabia do que era feito um Mojito e não via nada de legal nele, até saber que é um drink com RUM criado pelos PIRATAS, que misturavam limão e hortelã na bebida pra ficar mais fácil de beber. E bem, você sabe que tudo que envolve piratas é infinitamente mais divertido por causa do tapa-olho.

Enfim. Tinha um barman lá pra explicar como faz o MOJITO PERFEITO. Esse é o mote da campanha da Bacardi, COMO FAZER O MOJITO PERFEITO. Eu vou ser muito sincera que não ligo muito pro equilíbrio perfeito do Mojito, porque assim, eu tenho uma filosofia inovadora referente a bebidas alcoólicas: eu não gosto do gosto delas. Logo, se as bebo, estou em busca do efeito secundário provocado por elas, e ebriedade. Logo, na minha mente, que se dane o gosto da parada, né? É tudo ruim mesmo.

Mas assim, o Mojito até que é gostosinho. Não chega a mudar meu CONCEITO INOVADOR, mas é gostosinho. Vou ensinar a fazer, só pra pescar uns desavisados do Google:

MOJITO

Você vai precisar de várias coisas que ninguém nunca tem em casa, como:
Uma coqueteleira;
Um pilão;
RUM do BOM, pra não dar dor de cabeça;

E algumas que talvez você possa ter, como:
Hortelãs fresquinhas;
Gelo;
Água com gás;
Açúcar;
Limão;

Vamos ao preparo – é fácil, até eu consegui fazer lá na hora.

Esprema meio limão na COQUETELEIRA (deus, como eu amo essa palavra), joque açúcar a gosto (uma colher de sopa rasa é o padrão) e umas SETE FOLHAS de hortelã. Precisam ser sete OK. O barman que disse, EU SEI, não faz sentido.
Daí você pega o PILÃO e “MACERA SUAVEMENTE A NOSSA HORTELÔ.

Isso foi um quote do barman.

Daí põe uma dose de RUM. Não sei quanto é uma dose, vira a garrafa e conta até 8, sei lá. Depois, joga bastante gelo na parada, fecha a coqueteleira e chacoalha por uns 40 segundos.

Abre, põe no copo e dai acrescenta meio dedo de água com gás. Está pronto seu DRINK DOS PIRATAS. Pode pegar o tapa-olho e sair tirando onda.

Sobre os barmen, observei algo curioso. Alguns homens, pra impressionar as mulheres, compram um belo carro. Outros, se vestem com ternos importados. Outros ainda criam uma banda de rock, ou de qualquer outra coisa que seja sucesso de onde essa pessoa vem. Alguns fazem academia e ficam bombadões. Etc

Mas alguns, poucos, optam pelo caminho mais fácil: em vez de impressionar as mulheres fazendo algo incrível, eles preferem deixá-las bêbadas, assim abaixam o nível de expectativa delas e não precisam fazer algo tão incrível para impressioná-las. Astuto, eu diria.

Daí, para camuflar a estratégia, eles aprendem meia dúzia de receitas com bebidas, colocam uma regata e uma bandana bem zuada na cabeça, um gel no cabelo e aprendem a JOGAR GARRAFA PRA CIMA POR BAIXO DO SUVACO.

Barman-01

OEEE

Esses, Brasil, são os barmen. Sem contar os que se valem de artifícios linguísticos e poéticos: o de ontem disse, sério, que iríamos aprender a DOMAR O ESPÍRITO SELVAGEM DO RUM. Me valeu um belo título de post. Obrigada.

28 Comentários

Jornalismo vergonha-alheia “nas festa Rave”

Aprendi na faculdade um monte de tipo de jornalismo. Não editoria do tipo ‘jornalismo cultural’ e ‘jornalismo esportivo’, mas formas de fazer jornalismo mesmo. Existe a cobertura conhecida como ‘hard news’, que é a notícia do dia-a-dia, sem análise; tem o jornalismo de web e suas peculiaridades. Tem o jornalismo literário, o gonzo jornalismo, essas paradas todas. Você sabe, é esperto, é ligeiro.

Esse maluco aí embaixo inventou o, sei lá, jornalismo… ilustrado. Jornalismo patético. Jornalismo vergonha alheia. Sei lá. Mas ficou engraçadão.

Por gentileza, assista até o final.

Foda pensar que 50 pessoas tiveram que dividir só isso de drogas, rapá. Puta recessão.

25 Comentários

As pessoas estão aspirando vodca pelo nariz por aí

Algumas coisas não precisam ser provadas cientificamente pra serem verdade. Eu, como jornalista, e os amigos acadêmicos que acá frequentam, sei que estamos acostumados e buscar as fontes e a credibilidades delas todas as vezes que lemos uma generalização ou algo assim.

Mas tem uma verdade inegável sobre o ser humano, essa incapaz de ser comprovada assim, ipsis literis, por qualquer pesquisa científica – a gente é estúpido pra caramba.

Não que eu esteja reclamando. Se você reparar, boa parte dos textos desse blog só existe por causa dessas pessoas estúpidas. Mas poucas delas chegaram a esse nível de babaquice, ao nível de tomar vodca pelo nariz.

Vodca pelo nariz: mania nas baladas européias chega ao Brasil

Eu não gosto de beber por dois motivos – não aprecio o gosto da bebida e meu estômago embrulha muito rápido quando em contato com o álcool. Mas gosto de ficar bêbada eventualmente. Logo, a solução é apelar para drinks fortes, cujo efeito é sentido em poucas doses. Assim, eu me torturo menos. Tequila é a opção que eu mais aprecio.

Mas CHEIRAR VODCA? É o cúmulo da malandragem hipster descolada unida a sei lá o quê. Não sei o que é, é muita decadência. Eu entendo perfeitamente porque essas bandas tipo o Jonas Brothers, que pregam os valores da família, fazem sucesso. É que a nossa geração virou escrava da própria liberdade. De tanto poder fazer tudo, a gente chegou num ponto em que nada mais surpreende, nada mais é tabu, mais nenhuma sensação é suficiente, o vazio tá sempre lá. E como a geração seguinte vem pra quebrar o que a anterior fez, algum marketeiro percebeu isso e lançou três meninos que, indo contra a corrente, defendem a virgindade até o casamento. Esperto.

Já vi nego fumando fósforo, orégano, casca de banana só pra ver se dava barato (é sério). Devia ter suspeitado que iam chegar a cheirar vodca. Eu sou a favor da alegria baiana de viver, sabe? Quer fumar, fuma. Quer beber, bebe. Quer cheirar, cheira. Mas veja bem, até o ditado separa as coisas direitinho – “quer beber, bebe”, e não “quer beber, cheira”.

Cheirar vodca deve ser horrível. Imagino que é algo como se afogar em álcool. Se você, quanto arrota Coca-Cola, já fica com o nariz ardendo, imagina sentir VODCA passando pelas vias respiratórias e descendo pelo pulmão? E tudo isso porque você fica bêbado mais rápido? Não tem nenhum outro benefício. Basta começar a beber antes e pronto, você tem o mesmo efeito do jeito convencional.

É como se você tivesse com dor de cabeça, eu te desse uma aspirina e você enfiasse na bunda dizendo que a absorção pela membrana anal é mais rápida. Ok, MAS SERÁ QUE COMPENSA?

Pense nisso.

17 Comentários

Uma ou duas coisas sobre a descriminalização da maconha

Eu estudei em uma escola católica que, como toda boa escola católica, fazia seminários e palestras sobre drogas, explicando como era horrível e decadente chegar perto de um baseado.

A primeira vez que me ofereceram um desses, eu devia ter uns 13 anos. Olhei horrorizada para aquele traficante safado, um cara que tinha uns 23 e era irmão de uma amiga. Fiquei petrificada.

Por algum motivo inexplicável, a gente acaba crescendo e vendo que o mundo é ligeiramente maior do que as palestras e seminários da escola das freiras. E para o meu espanto, quando comecei a crescer, vi amigos – pessoas legais, e não aquele idiota irmão da minha amiga – começarem a fumar maconha.

Eu poderia escrever aqui “e vi que era bom”, porque seria uma metáfora com aquela coisa do Gênese da Bíblia e pareceria legal. Mas isso traria alguns problemas. O primeiro é que daria a entender que eu fumei maconha e vi que era bom, e considerando que minha família lê meu blog, eu realmente não gostaria de dar a entender algo assim (se eu não postar amanhã, fui internada na rehab).

O segundo é que misturar na mesma piada Deus e maconha costuma gerar reações agressivas, especialmente dos adeptos do primeiro. Tem aquela dos caras que arrancaram uma página da Bíblia pra enrolar porque tavam sem seda, sabe? Então. Essa costuma gerar muito ódio dos adeptos do primeiro.

E o terceiro é que seria uma mentira, porque eu não vi que era exatamente bom – na verdade, o que eu vi é que não era tão ruim pros meus amigos quanto a sociedade inteira me fez acreditar por tanto tempo.

Ok – de fato, pra alguns amigos era bem ruim. Alguns deles passaram a querer fumar maconha o tempo todo, e nada mais tinha graça pra eles se um baseado não acompanhasse. E eles passaram a viver em função daquilo, e me pareceu realmente ruim. Desses, a maioria acabou seguindo pra drogas mais fortes – como cocaína e ecstasy. Outra parte parou com tudo antes de chegar nesse nível, e em todos os casos isso envolveu epifanias religiosas.

Mas…  tinha um outro grupo de amigos que fumava maconha. E esses seguiram a vida e fumavam aqui, tomavam um chá de vez em quando. E era saudável (até onde é possível), me parecia. Eles viviam bem – e vivem, até hoje. Trabalham, estudam, têm namorada, são bem sucedidos. Tem boa relação com a família. Tudo ok.

Daí eu percebi que tinha algo errado com tudo que eu já tinha entendido sobre maconha. E comecei a estudar sobre o tema. Li livros, vi documentários. Descobri que as razões da proibição e da perseguição aos usuários, nos anos 1930, foram socio-econômicas; descobri também que a maneira como a gente vê a droga é relativista e cultural, porque os adeptos da religião Rastafari justificam o fumo da erva com passagens Bíblicas (não que isso queira dizer algo, só estou mostrando como existem mil jeitos de interpretar a mesma informação); e percebi que tinha algo errado com o fato da nossa sociedade tolerar álcool e tabaco, ainda na adolescência, e abominar o uso de maconha.

Por isso, fiquei surpresa com a matéria de capa da Época dessa semana.

Capa da Época - Maconha

Achei o design foda. Essas faixinhas amarelas que parecem que tão girando… mó brisa.

Não, tô brincando. Achei surpreendente que um veículo das organizações Globo publicasse uma matéria tão lúcida e eloquente sobre o tema, fugindo do lugar-comum desse tipo de reportagem, que costuma apresentar falso moralismo e algumas inverdades. O texto pode ser lido na íntegra aqui.

Perguição ao Phelps? Acho absurdo que encham tanto o saco do cara. Se por um lado ele é uma figura pública e deve dar exemplo, porque provavelmente serve de modelo pra crianças, por outro, ele só comprova a tese de que existem pessoas normais e bem-sucedidas fumando maconha por aí. Apesar de concordar que ele não precisa sair por aí fumando maconha em festas universitárias – essa exposição é desnecessária.

A Época, defendendo a discussão sobre a descriminalização? Isso é fantástico. Se eu sou a favor de descriminalizar? Não sei (o FHC é). Mas sou a favor de rediscutir as políticas de combate ao tráfico, isso sem dúvida. E sou a favor de rever a posição da maconha na escala das drogas perigosas, até porque ela é comprovadamente menos ‘viciante’ que nicotina e álcool, sem contar que alguém sob efeito de maconha parece ter muito mais controle do que faz do que alguém sob efeito de álcool. E, definitivamente, sou a favor de que a sociedade remova esse tema do status de ‘tabu intocável’ pra ‘tema que deve ser discutido urgentemente’, porque as mortes geradas pelo combate inútil ao tráfico são questão séria de segurança pública.

Além disso… você já ouviu falar de briga e morte em show de reggae? Nem eu.

51 Comentários

Post it #03

Post it no Olhômetro - logo#Agora um tenho um Tumblr
Um Tumblr é parecido com um blog. Mas também lembra o Twitter. Digamos que fica entre os dois – não chega a ser um blog, mas também não chega a ser o Twitter. Lá, publicarei todas as coisas que passam na minha cabeça durante a semana (são centenas), além dos links, vídeos e fotos legais que vejo na internet. Algumas acabarão virando posts longos e reflexões por aqui. A seleção do que vai entrar no post it na segunda-feira também virá de lá, então você não vai perder nada se não quiser acessar, porque o que tiver de melhor por lá vai acabar vindo pra cá. Serve apenas pra mim, como organizador de pensamentos e ‘roteador’ de tudo aquilo pelo quê eu me interesso na semana. Mas eu tô viciada em Tumblar. Olha: http://anafreitas.tumblr.com

#Fringe
Acabou a 1ª temporada do seriado cujo piloto eu comentei aqui, há um tempão. Fringe é do mesmo produtor de Lost, J.J. Abrams, e retrata o dia-a-dia de um setor do FBI que cuida de casos envolvendo ciência de borda – que é quando a ciência e as ‘pseudo-ciências’ se encontram. É recheado de teorias da conspiração das mais incríveis, e prato cheio pra quem é fã de Lost. Essa fase terminou de um jeito muito legal, até pra uma série que tinha dado uma decaída entre os episódios 8 e 11, mais ou menos. Numa boa – se você não viu ainda, aproveita a pausa entre Season 1 e 2 (a série volta em abril) e começa a assistir.

#Repórter Bêbado
O mais genial e inovador programa de jornalismo bem humorado da internet brasileira, Repórter Bêbado, teve uma de suas edições gravadas na madrugada deste sábado e eu tive a honra de participar, ao lado dos mestres Nigel Goodman e Ronald Rios. Aguardem o áudio, espero que ainda essa semana, no próprio blog do Nigel. A única ressalva: me confundiram de novo com a Mallu Magalhães. E PELA VOZ. Isso me atormenta.

#Culinária ligeiramente heterodoxa

#Jogo dos 326 erros
Observe bem essa foto.

alfie

Este menino do lado esquerdo é Alfie. Ele tem 13 anos.
Este bebê no meio é o filho de Alfie.
Do lado direito, temos a mãe, Chantelle, que tem 15 anos.

Não quero comentar. Mais informações no The Sun, mas em inglês.

#Comparação que não ajuda
Tomar ecstasy é tão perigoso quanto andar à cavalo, segundo um pesquisador. Isso significaria que frequentar raves e festas country apresenta exatamente o mesmo risco? De qualquer forma, essa é a comparação mais inútil que alguém já fez, já que uma coisa é tão distinta da outra que se torna incompreensível – é como dizer que nadar em mar aberto é tão perigoso quanto brincar com um bambolê.

#Falando em bambolê…
“É na pegada do bambo, do bambo bambo, do bambo, do bambolê – ô lalá, o lelê, vai!”

#Como viver sem a ciência?
Finalmente, um estudo que comprova uma relação que eu sempre suspeitei existir.

graficocel1

A pesquisa que gerou esse gráfico foi conduzida pelo prof. Eric Franco, e mais detalhes podem ser encontrados neste artigo científico.


#Vamos mudar um pouquinho – para melhor, espero
Lembra que eu disse que ia pegar parte do dinheiro que ganhei esse tempo com posts patrocinados pra investir por aqui? Pois é. Você não cansou desse verde? Porque eu cansei. Vamos dar uma reformada, com a benção do homem-ato-ou-efeito, Théo. Dentro de algumas semanas, espero, estaremos mais moderninhos. Mas falta uma coisa:

#Finalmente, A PROMOÇÃO
Tudo certo com os prêmios. Essa semana, lanço a promoção mais irada da história da internet brasileira do Olhômetro. Quem viver, verá. Ok, não espere tanto, mas são prêmios legais, e eu pensei em algo que vai beneficiar quem é leitor, e não gente perdida e pára-quedista. Fiz pra você, porque você merece. É um agradecimento por tudo o que você me proporcionou nesses 14 meses de existência através desse blog.

14 Comentários

Post it #02

Post it no Olhômetro - logoEdição recheada. Vamos aos acontecimentos da semana que passou – os que valem a pena serem comentados, ao menos.

#Pra não ter fama de gay, vale até dar o *
Lê aqui - Jovem fingia ser mulher no Facebook para receber fotos de homens nus – e depois volta.
Pensa comigo. Você é um jovem estudante que, enganado, manda uma foto sua peladão para uma suposta gatinha no Facebook. A gatinha se revela meio, hum, cheia de barba, e ameaça divulgar sua foto nu para todo mundo da escola (além dizer a todos que você mandou sua foto nu a um cara) se você não se permitir ser molestado por ele.
31 garotos preferiram serem violentados em silêncio do que aparecerem pelados e pagarem de viados na frente da escola inteira? Na boa, o mundo está fora de controle.

#Analisando o jornalismo sensacionalista de fim de tarde
Puta alarde, helicóptero, Datena gritando e o GC piscando. Daí você pensa que outro avião caiu né. E vai ler:
URGENTE:
Árvore pega fogo na Zona Oeste

Desde quando isso é notícia, cazzo? Maya se casa com árvore, isso é notícia. Ou Piscina pega fogo, isso também é notícia. Árvore pegar fogo não é. Ainda mais “urgente”.

#Não tem como não gostar…
Você pode ser como eu: não pagaria pra ir no show do Little Joy pra evitar encontrar a possível enxurradas de fãs malas do Los Hermanos. Mas não tem como não achar o som alegrinho. E não tem como não simpatizar com os caras depois de uma entrevista dessas:


#Olha o retrato do suspeito
A menina tá desaparecida. Daí o telejornal foi mostrar o retrato falado do suspeito de ter sequestrado a pobre.

#McGyver está de volta no corpo de uma mulher
Detentas fogem de presídio em SP usando alicate de unha

#No meu tempo…
…o cara que denunciasse uma mulher por abuso sexual seria zuado de viadinho pro resto da vida. Mas quer saber? Sempre achei machismo que homens não pudessem denunciar mulheres por abuso sexual. Conheço umas histórias…

#O mais assustador comentário que já recebi neste blog em quase um ano e meio de existência
Clica e lê. O negócio é sério.

#Tá chegando a hora…

Olha a capa da Time dessa semana:

TIME - How to save your newspaper

Matéria completa aqui.

#Alçamos voos mais altos
Olha a gente no site da Rexona. Vai rolar sempre.

#Tá explicada a dieta hipercalórica do Phelps
12 mil calorias por dia e você queria que eu acreditasse que tinha a ver com o supercondicionamento físico dele? Nada. LARICA. Mas falando sério, eu sou partidária do ‘deixem o cara paz’. Eu, o Chong (isso, o amigo do Cheech!), o Christian Bale e um monte de gente achamos que ele deveria ter aproveitado pra mandar a real – o site reasononline escreveu “O que Phelps deveria ter dito“, e deveria mesmo.

#Bruno Aleixo
Tava vendo todo mundo falar disso aí e não entendia. Tentei ver um vídeo outro dia mas não entendi nada do que eles tavam falando – português de portugal parece uma língua desconhecida, às vezes. Mas todo mundo continuou falando tanto que dei uma nova chance – e não é que é engraçado pra cacete?

#E o prêmio ‘Vergonha Alheia do Ano’ vai para…
Engraçado, pessoal do Big Brother teve um concorrente forte. Duvido que alguém supere essa entrevista do Lucas Celebridade até o fim de 2009.

#Todo mundo já viu, mas pros retardatários (sempre tem):
Não sou só eu que fico locona com anestesia. Mas não cheguei nem perto do David, que fez sucesso essa semana porque tem 7 anos e ficou doidão depois do dentista:

Já tem remix, e é do bom. Vi no Matias.

4 Comentários

Narguilé, 100 cigarros e a malandragem juvenil

Tudo começou em 2001, com a novela O Clone.

Stênio Garcia como Tio Ali, de O Clone

Tio Ali, entre uma e outra demonstração de habilidade na dança típica muçulmana, quando precisava meditar e tomar suas sábias e difíceis decisões, fazia uso de um cachimbo colorido, cheio de tentáculos, com um compartimento pra água e que podia ser compartilhado por várias pessoas.

narguile

A praga se alastrou de uma maneira imprevisível e ainda hoje qualquer bar descolado que se preze tem Narguilés disponíveis para os clientes. Você põe lá um fuminho aromatizado gostosinho e fica pitando aquele negócio na mesa do bar, o que não serve pra NADA além de fazer você parecer legal. NOT

Como o narguilé não fede como o cigarro e parece muito mais bonito e saudável, isso aí virou febre entre a molecada. Não tem o estigma do tabaco, então os estabelecimentos não se importavam em deixar qualquer turma de 15 anos fumar isso na mesa. Ok, como se deixassem de vender cigarros pra pessoas dessa idade. Mas enfim – o uso do Narguilé, por causa da ignorância e do aspecto ‘glamuroso’ e ‘cultural’ da coisa, não chegava a ser condenado pelos pais como eles fariam se apanhassem o filho com um Marlboro na boca.

Ledo engano. Lembro que quando isso aí virou febre li um artigo do Dráuzio Varella explicando que uma sessão de fumo de Narguilé, que costuma durar bastante tempo (cerca de uma hora) pode equivaler a 100 cigarros. No mesmo artigo, o médico explicava também que aqueles cigarros aromatizados, com cheiro (horrível) de canela, cravo, menta e chocolate, que também são sensação entre os jovens, são muito mais prejudiciais pro pulmão do que os cigarros convencionais.

Nunca mais achei o texto e a coisa acabou como lenda urbana. Via amigos que condenavam o uso do tabaco se acabando no Narguilé só porque tinha gostinho bom. Ninguém acreditava quando eu dizia que o negócio era perigoso – ao menos, tão perigoso quando cinco maços de cigarro.

Mas na última semana, um estudo divulgado pela UnB (e repercurtido inclusive na capa do JT) trouxe de novo à tona o que eu vinha dizendo todo esse tempo: uma sessão comum de Narguilé equivale a inalar a mesma quantidade de substâncias tóxicas presentes em 100 cigarros. Em uma hora.

Mas eu não falei tudo isso pra dar lição de moral em ninguém. Eu só disse tudo isso por dois motivos. O primeiro é pra informar o possível usuário frequente desse cachimbo doido, que não sabia que ele fazia tão mal, que seu pulmão vai virar uma esponja e que, ao contrário do que se pensa, o fumo aromatizado usado no Narguilé tem sim nicotina e vicia.

O segundo motivo é o seguinte: na sexta feira, eu vi um babaca de uns 16 anos, desses sem barba na cara e que sempre andam em bando, com um Narguilé na rua.

Na rua. O moleque tava andando na rua com um bando de amigos, sexta à noite, a rua mais movimentada da cidade… sabe, quando você tá decidindo se vai entrar em algum lugar e qual vai ser… e o idiota tava carregando um negócio desse, gigante, na mão. Fumando enquanto caminhava, ele e os colega. Claramente, eles achavam isso muito legal.

Eu não consegui tirar foto e nem conheço o cara. Mas tô fazendo esse post na esperança de que um dia ele busque alguma informação sobre Narguilé no Google e caia aqui, pra que eu possa lhe informar do seguinte: cinco maços de cigarros são portáteis, podem facilmente ser guardados no bolso e aparentemente seu uso é bem mais prático se você estiver na rua, em movimento. Acho que, inclusive, o cigarro nesse formato foi criado justamente no intuito de ser portátil e prático de ser levado para qualquer lugar. Ou você via o Tio Ali saindo pelas ruas do Marrocos com um cachimbo de vidro de 40cm de altura nas mãos? Não via, né? Até porque ele precisava ter as mãos livres pra fazer aquela dança maluca.

Quer ser malandro? Ao menos não pareça babaca – seja macho. Compre 5 maços de cigarro e fume-os em uma hora.

183 Comentários
Página 1 de 212