OEsquema

Arquivo: entrevista

retrospectiva oesquema 2012: rui mendes

melhor aula de fotografia que qualquer um pode ter.

http://vimeo.com/31191045

obrigado vitor domingos pelo video.

Comente

95


o jornalista e fotógrafo, alexandre belém, é editor de fotografia do site da revista veja e responsável por um dos blogs de fotografia mais respeitados e lidos do brasil, o olhavê. sempre quis trocar uma idéia com ele e desta vez rolou. confere ai.

o que te levou a fotografia? como começou?
Em 1991, comprei uma câmera e comecei a graduação em Jornalismo. Começou assim. Neste post, explico um pouco: http://www.olhave.com.br/blog/?p=8197

porque fotografa?
É o que sei fazer e é o que entendo.

o que te influência na fotografia?
Sempre foi e será o fojornalismo e o documental. Hoje, João Castilho e Pedro David me influenciam também.

você teve duas passagens pelo Jornal do Commercio, de 93-96 e depois de 04-09. porque saiu e porque voltou? o que aprontou neste meio tempo?
Em 1996, deixei o JC para montar uma agência de fotografia: a Lumiar. Depois, criei a Titular. Só aí, foram oito anos. Depois, em 2004, voltei. Sempre gostei de jornal e queria terminar o que comecei antes.

poderia falar um pouco da cada site/blog que edita?
Olhavê – http://www.olhave.com.br = é onde tudo começou e a fonte para os outros.

Aqui, explico: http://www.olhave.com.br/blog/?page_id=5431

Perspectiva – http://www.olhave.com.br/perspectiva = mostramos portfólios de autores nacionais. O site é de autoria da minha esposa, Georgia Quintas. Ajudo ela na produção.

Aqui tem mais detalhes sobre ele: http://www.olhave.com.br/perspectiva/?page_id=2

Extraquadro – http://www.olhave.com.br/extraquadro/ = é o blog de Georgia omnde ela posta os textos mais analíticos, críticos e textos que ela publica em jornais, revistas, catálogos, etc.

Aqui tem mais: http://www.olhave.com.br/extraquadro/?page_id=220

Sobre Imagens – http://veja.abril.com.br/blog/sobre-imagens = é o blog que edito no site da revista Veja. São grandes reportagens, os clássicos, etc. Tento fazer do espaço um local de aprendizado e escoamento do que considero importante para todo fotógrafo ou amante da imagem.

como consegue administrar tantos sites de fotografia? você trabalha em casa? como é sua rotina?
Dedicação e normatização. Os blogs, faço em casa.

de onde vêem tantas idéias para os posts? digo, como é sua ‘reunião de pauta’?
Não tem muito mistério. Tenho muitas seções e tento mantê-las. O resto, é o que acho legal, gosto, quero compartilhar. Assim, tenho feito o Olhavê.

verdade que o olhavê surgiu enquanto fazia plantão no jornal?
Sim. Durante um mês de plantão no Jornal do Commercio, comecei o blog. Quando você não está na rua fazendo tranqueira, fica na redação vendo novela ou na web. Estava querendo algo mais do que o Flickr. Daí, surgiu o blog.

que seção do olhavê te da mais prazer em fazer?
Olha, as entrevistas (http://www.olhave.com.br/blog/?cat=8) são legais porque, para mim, é o clássico do jornalismo: entrevistar alguém. Adoro! Mas, A foto que eu queria ter feito (http://www.olhave.com.br/blog/?cat=1630) deu um puta resultado.

existe um padrinho do olhavê? quem seria? e quem seria o afilhado?
Sempre enfatizo os colaboradores. Tudo, absolutamente tudo, no Olhavê é feito na amizade e colaboração. Não rola grana, comercial, propaganda. Sempre foi na base do convite. Todo mundo é afilhado e padrinho.

já aconteceu de você publicar um texto em um blog, achando que era outro?
Nos meus blogs? Não. São conteúdos diferentes.

como foi o convite pra ‘cuidar’ do acervo do fotosite?
Não foi bem isso. Quando o site Clix saiu do ar e, respectivamente, o Fotosite, o proprietário do Clix+Fotosite me procurou e propos direcionar a URL do Fotosite para o Olhavê e, do Olhavê, o internauta iria para o Fotosite. Aqui tem tudo: http://www.olhave.com.br/blog/?p=4372

Bem, como sempre tive uma boa relação com os quatro fundadores do Fotosite (http://www.olhave.com.br/blog/?p=5043) – Pisco del Gaiso, Adi Leite, Rogério Assis e Mareclo Soubhia – isso foi um prazer. Hoje, a URL do Fotosite vai para uma Home que o Marcelo Soubhia cuida.

quando sai em pauta (ainda sai?), prefere ir com ou sem repórter?
lembra de uma pauta que deu tudo errado?
Não tenho fotografado ultimamente. Depende da pauta. Uma reportagem, checar algo, etc, tem que ter o repórter. Uma foto mais produzida, um retrato, melhor ir sozinho.

o que te incomoda na fotografia?
Nada!

qual o papel do fotógrafo hoje em dia neste mundo tomado por câmeras fotográficas?
como se destacar/sobressair nesse mundo banalizado por fotógrafos?
Dia desses o extraordinário fotógrafo Claudio Edinger colocou uma linda foto no seu Facebook feita com iPhone. Um comentário dizia: Quero comprar um iPhone. Então, eu comentei: Quero ter um olho do Edinger. Há décadas e para sempre, o que importa é o talento.

nesses 15 anos de profissão, quais foram as principais mudanças que sentiu no mercado fotográfico? não estou falando só da questão filme x digital, mas sim da linguagem.
Acho que tudo está mais “solto”. É inevitável não associar certas mudanças de comportamento ao fato da tecnologia ter avançado. O fotógrafo no campo de futebol tá mais relaxado porque pode ficar o jogo todo e transmitir na boa. Antigamente, você fazia cinco minutos de jogo e mandava o filme. A relação fotógrafo vs. equipamento está mais cômoda. Não estou dizendo que esteja melhor. O fluxo está mais tranquilo. Por outro lado, existe a necessidade de ter o “tempo” da fotografia novamente. Fotógrafos como Pedro David tem fotografado com 4×5 e revelado as chapas em casa.

trabalhar como editor de fotografia do site da veja te da acesso irrestrito no departamento de documentação da abril?
por falar em dedoc, esta é a seção que mais gosto no sobre imagens. é possível resgatar imagens que as pessoas nem imaginam que existam mais. o que de mais bacana já encontrou por lá?
Não é acesso irrestrito. É acesso de pesquisador como qualquer um pode ter. Claro que “sou da casa” e desco lá quando quero.
O acervo é gigantesco com mais de 7 milhões de fotos. Em breve, publicarei um ensaio com Leila Diniz feio pelo maravilhoso David Drew Zingg para a Realidade.

qual foi a primeira foto sua que você pendurou na parede da sua casa?
Minha, não tenho nenhuma. Só dos amigos. Bem, ao entra na minha casa, de cara, tem uma foto de Rogério Reis da séria “Na Lona”.

o que você pensa sobre os ‘coletivos fotográficos’?
Acho fundamental e legal.

sobra tempo pra fotografar?
Hoje, não. Vai sobrar um dia.

poderia escolher a foto mais importante do seu trabalho? e qual mais gosta?
Caramba! Vou pensar e mando…

algum outro projeto em andamento?
Para 2012, estamos planejando a publicação de livros com conteúdo dos nossos sites.

onde você vê foto?
Vejo nos livros e na web.

onde você vende foto?
Tenho um material depositado em dois bancos de imagem. Um no Recife, na Titular e em São Paulo, na Kino. São imagens para uso editorial.

mais fotos do alexandre belém aqui.

Comente

50

acho que primeira vez que pude dizer que era Fótógrafo, com F maiúsculo, foi quando frilei para revista bizz.
a grana nem era boa, mas só em poder dizer que tinha colaborado  na mesma revista em que  rui mendes tinha trabalhado, já era suficiente pra mim.

responsável por mais de 300 capas de disco e conhecido por reinventar a fotografia de música, rui mendes é hoje um dos mais talentosos retratistas do brasil.

o que te levou a fotografia?
como começou?
Fui parar em Vancouver, Wa como exchange student pelo programa do Rotary. Fui fazer um ano
de High School. Lá comecei a fazer o curso de fotografia da própria escola. Gostei tanto que fiz
em um ano e meio fotografia 1, 2 e 3.

porque fotografa? o que quer dizer?
Fotografo por que foi o ofício que aprendi. Esta coisa do quê quer o dizer é papo de bicho
grilo…ehehe…De qualquer maneira, eu não acho que isso tenha explicação…

o que te influência na fotografia?
Outras midias…fui muito influenciado por quadrinhos…Will Eisner e muita coisa da
Marvel…Acho que minhas viagens também tem parte nisso. Acho que 40 dias no estrangeiro, a
trabalho, é mais efetivo do que 4 anos de faculdade neste país.

quando a música entrou na sua fotografia?
ainda fotografa música? gosta? acompanha?
Eu fiz ECA e meu primeiro grande amigo lá, que sentava ao meu lado todos os dias, era Paulo
Ricardo…nesta época conheci também, numa república de sete gatinhas, Kiko Zambianchi, que
tinha acabado de chegar de Ribeirão. Aí um belo dia, meu cunhado na época, José Augusto
Lemos, filho do Fernando Lemos, me convidou pra fotografar o Ira, As Mercenárias e os Ratos
de Porão pra revista Pipoca Moderna, do Zé Emílio Rondeau e Anamaria Baiana.

Gosto de fazer retratos. Não importa de quem seja…
Acompanho o que dá…A gente perdeu nossa identidade musical. O que toca na rádio
é lixo!…Quer dizer, a coisa está muito detonada aqui. Por falta de critério, corrupção e
ignorância…Só o fato de não tocar música independente nas rádios já é muito triste…agora, por
exemplo, estou ouvindo uma radio de LA na internet…

é mais fácil lidar com sambista ou roqueiro?
Tanto faz…o importante é conseguir uma boa foto

que foto dá vontade de ligar o som?
As que fiz de Raul Seixas…

quando sai em pauta, prefere ir com ou sem repórter?
Tanto faz…

lembra de uma pauta que deu tudo errado?
Não, lembro de uma viagem à Jamaica com o Sérgio Martins que ele esqueceu de me contar
que tínhamos de fazer uma foto com uma jamaicana para a capa da Revista Bizz. Acabou que
fizemos uma jamaicana em Camburi mesmo…eheheh

o que te incomoda na fotografia?
Fotógrafos, ô bicho besta…tem muito artesão que se acha artista…e tem muito picareta que se
acha o Avedon…ehehe

o que é mais importante hoje para um fotógrafo? ter um twitter com vários seguidores, ter um
lightroom cheio de templates ou ter um flash vários slaves?
Linguagem…

como se destacar/sobressair nesse mundo banalizado por fotógrafos?
Linguagem…

nesses 30 anos de profissão, quais foram as principais mudanças que você sentiu no mercado
fotográfico?
A mudança pra digital foi um baque pra mim…estava acostumado com o mesmo equipamento
há mais de vinte anos…uma Canon F1 com uma lente normal e uma Rolleiflex S/L 66 também
com uma lente normal…fiquei uns 6 meses pra me achar de novo e começar a fotografar
decentemente com a Digital…Hoje em dia não sinto falta nenhuma do analógico…acho
engraçado gente falando da textura de antigamente, do desfoque…hoje consigo fazer qualquer
coisa com o lightroom e o photoshop e seus plugins

você passou por momentos complicados por saúde, certo?
Descobri que não tinha rim nenhum aos 41 anos. Estou fazendo diálise há 6 anos, dia sim, dia
não.

consegue conciliar a hemodiálise com o trabalho?
Tem dias de diálise que trabalho e tem dias que não consigo…O trabalho me move, me dá
força…

o quanto teu olhar mudou, depois que começou o tratamento?
Meu olhar continua o mesmo…E sou a pior pessoa pra falar de doença…Nem na internet
eu me informo… Sei que transplanto logo…

algum projeto em andamento?
Meu livro Música tá no forno…tenho um projeto em lightpainting pra minha próxima expo.

onde vê foto?
Vejo muito pouco fotografia, gosto de ver arte de um modo geral…acho que ver foto
atrapalha…sei o que está acontecendo mas não sei nome de fotógrafo nenhum…pois não me
interessa…Pra não perder o bonde da história estou sempre na cola de gente jovem…

onde vende foto?
Tenho vendido direto…tem gente que se interessa e me procura…o Flickr funciona pra mim…

quer ver mais fotos do rui mendes?
entra aqui.
ou aqui.

1 Comentário

15

quando trabalhava na revista valeparaibano, o nosso editor marcelo claret, resolveu dar a capa da edição de maio com os dois mais bem avaliados candidatos a presidência da república. naquela altura, marina deveria ter de três a quatro pontos percentuais. ficou de fora.

serra esnobou o vale do paraíba e até hoje não falou o a revista.
dilma tentou fugir de todos os jeitos, mas o repórter (cláudio de souza) era bom e conseguiu laça-la.
fomos para brasília sem saber se ela iria nos atender. a redação ficou doida por causa dos gastos, mas no fim deu tudo certo.

minha função era trazer o máximo de fotos possíveis da dona rousseff.
o assessor dela me puxou de canto e perguntou como eu queria fazer as fotos. disse que precisava de um retrato posado e de mais algumas durante a entrevista. ele olhou pra mim, piscou com cara de malandro e disse: “como ela está de bom humor, pode ficar tranquilo que te garanto as fotos.”
sugeri fazer o retrato enquanto ainda tinhamos luz natural. de prefereência no jardim do diretório, mas ele negou de imediato.
“quer fazer foto? então tá, mas não lá fora. a gente tem um estúdio profissional com luz e tudo. mas só depois da entrevista. quer?”
fazer o que, né? quero.
acho que ele não quis que fotografasse ela do lado de fora, porque ia aparecer todo o resto da casa. baita piscinão, campo de futebol, churrasqueira. o diretório mais parecia um resort.

depois de esperar quase meia hora numa salinha sem nada pra fazer, a ex-ministra entra na sala, toda sorridente dando beijinhos para quem estivesse em sua frente. como sou discreto, fiquei no canto da sala.

de cara, disse que gostava bastante do “vale do ribeira”, mas que nunca tinha ido. percebe-se que não, já que a revista é do vale do paraíba…
fiz algumas fotos da entrevista, sentei, tomei uma água, levantei, tirei mais algumas, tomei mais água, sentei novamente, tomei café.

lembro que ela ela começou a falar que tinha sido secretaria de minas e energia e que no governo dela, não houve racionamento e que BOOM…
falta luz na casa.
todos rindo, disseram “mas que boca, hein ministra?” haha pra lá, haha pra cá, e a entevista foi seguindo.

depois de quase vinte minutos no breu, dilma mandou saber o que tinha acontecido e pediu para um outro assessor trazer vela.
naquela altura, já estava ficando tenso por causa do retrato que tinha que fazer dela e nada da luz voltar.
o breu era tanto, que eu não conseguia fazer foco. o repórter lia as perguntas com a luz do celular.
comecei a jogar flash na cara dela pra ver se rolava alguma coisa. pelo menos o foco.
depois de uns dez flashes, diretos na cara da candidata, ela olhou pra mim e disse:
“meu filho, agora você está incomodando. meu olho não pode assim. eu uso lente de contato. chega de foto, tá?”
olhei pro visor, dei um sorriso e disse, ‘claro, claro’.

na mesma hora, volta a luz.
na mesma hora…

com a claridade necessária para ver os olhos dos outros, o assessor dá mais duas perguntas para o repórter, olha pra mim e diz de lentamente, como se eu fosse surdo, ” não-vai-ter-mais-foto. ela-está-cansada”.

vamos ver se até domingo ela já descansou.

2 Comentários